Deputada Carla Zambelli terá de pagar de R$5mil diários por manter no ar vídeo de Netinho cantando “Milla”

Uma notícia está sendo destaque nesta quinta-feira (13). Em uma ação movida por Manno Góes, compositor da música “Milla”, cantado por Netinho, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) terá de pagar uma multa de R$ 5 mil por dia enquanto mantiver no Youtuber um vídeo de Netinho cantando a música “Milla” em um ato pró-Bolsonaro, no último dia (1). Manno Góes moveu a ação porque já havia pedido a retirada pela deputada e ela não retirou. As informações são do Bahia Notícias.

Além da multa, a ação também exige R$200 mil de indenização, dos quais R$ 100 mil são por danos morais por usar a música do compositor “com vinculação forçada à ideologia e figura política da ré (Carla Zambelli)”. E R$ 100 mil por danos materiais pelo uso da canção, que deveria ter sido licenciado pelo autor previamente.

A deputado receberá a intimação virtualmente e assim que ela receber, a multa passará a valer. Ela tem até 15 dias para apresentar a defesa

Da Redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , , .

Categoria(s): Destaque.

Carla Zambelli invade CPI da Covid e afirma que Renan Calheiros está ameaçando Fabio Wajngarten

O cenário político nacional anda muito movimentado, nesta quarta-feira (12), com o avanço da CPI da Covid. Isso, porque a deputada Carla Zambelli chegou a invadir CPI e acusar o senador Renan Calheiros, relator da CPI, de ameaçar ex-secom de Bolsonaro.

A deputada Carla Zambelli invadiu o plenário onde estava acontecendo a reunião da CPI da Pandemia, local onde o Ex secretario de comunicação da Presidência da Republica, Fabio Wajngarten, prestava depoimento nesta quarta-feira (12). Ela saiu em defesa de Wajngarten e acusa o senador Renan Calheiros (MDB-AL) de ameaçar o ex-secom.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) chegou a confrontar a deputada: “A senhora não pode interferir (no colegiado). Não pode interferir”, disse. O momento do tumulto foi durante um intervalo da reunião.

Veja o vídeo

Nesta quarta a CPI colhe o depoimento do ex-secretário de Comunicação Social da Presidência da República Fabio Wajngarten. Ele deu declarações à revista Veja na qual responsabiliza o Ministério da Saúde pelo atraso na aquisição de vacinas.

Wajngarten deve explicar aos senadores campanhas do governo federal em temas como isolamento social e o apoio do governo ao chamado “tratamento precoce”. A convocação de Wajngarten atende a requerimentos dos senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da comissão, e Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Leia também o portal do nosso editor www.romulofontoura.com.br

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional, Politica.

Carla Zambelli entra com ação na justiça para tentar retirar Renan Calheiros da relatoria da CPI

Nesta terça-feira (20), a deputada Carla Zambelli informa, em suas redes sociais, que ingressou com ação para barrar o nome do senador Renan Calheiros como relator da CPI da Covid, tendo como principal alegação para a medida judicial a seguinte fala da deputada: “a presença de alguém com 43 processos e 6 inquéritos no STF evidentemente fere o princípio da moralidade administrativa”.

Postagem completa

“Acabamos de Ingressar com ação na justiça para barrar @renancalheiros na relatoria do CPI. A presença de alguém com 43 processos e 6 inquéritos no STF evidentemente fere o princípio da moralidade administrativa. Outros parlamentares também ingressarão com ações.”

O jornalista Augusto Nunes também fez a seguinte análise referente ao posicionamento do senador alagoano e questionou imparcialidade para atuar como relator:

“É normal que haja, numa CPI, integrantes indicados por partidos, que já chegam com o voto pronto. Um exemplo é o vice-presidente Randolfe (Rodrigues), você já sabe como ele vai votar.”

“E também existem os que são aliados incondicionais do presidente, que você já sabe como é que eles vão votar.”

“Agora, o cargo de presidente e o cargo de relator, devem ser exercidos por pessoas com alguma dependência, e com um currículo respeitável”

“No caso de uma CPI, isso não pode acontecer. Um relator tem que ouvir, examinar provas e tal. Vai o Renan para um posto desse, e já chega dizendo: ‘o presidente Bolsonaro fez isso, fez aquilo’. Então o relatório está pronto”, disse ele.

Vale lembrar, que Renan é opositor declarado de Bolsonaro e, além disso, alvo de inquéritos no STF.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional, Politica.