Viúva de homem morto por seguranças do Carrefour recusa indenização de R$1 milhão

Uma notícia está sendo destaque nesta quinta-feira (01). Milena Borges Alves, viúva de João Alberto, homem que foi espancado até a morte por dois seguranças do Carrefour, recusou a proposta de acordo no valor de R$1 milhão feito pela empresa de supermercado, como indenização por dano moral e material. A negociação foi encerrada no último dia 24 de março e os advogados da mulher devem entrar na Justiça cobrando valores entre R$10 milhões e a R$15 milhões.

A recusa ao valor seria pelo fato dessa quantia ser a mesma paga pela morte do cachorro Manchinha, espancado e morto por um segurança do Carrefour, em Osasco, São Paulo. A indenização pela morte do animal foi paga para instituições de causas animais.

Em entrevista ao UOL, o advogado da viúva, Hamilton Ribeiro, relembrou o caso de George Floyd, homem negro morto por policiais nos Estados Unidos e o valor que a família de George recebeu, de US$ 27 milhões. “Quanto vale a vida de um negro afro-brasileiro e um negro afro-americano? Quando vai ter fim a síndrome do cachorro vira-lata?”

O Carrefour, por sua vez, disse que o defensor estava “se agarrando” a um valor estipulado pelo STJ de 500 salários mínimos.

Mesmo não conseguindo fechar acordo com a viúva, a enteada e o pai de João Alberto acordaram valores, porém esses não foram divulgados devido ao termo de confidencialidade.

RELEMBRE O CASO

José Alberto foi morto dia 19 de novembro do ano passado por dois seguranças do Carrefour. Segundo Milena, ela e o marido teriam ido ao supermercado comprar ingredientes para um pudim e algumas verduras. O casal, segundo ela, teria ficado poucos minutos dentro do estabelecimento. O homem teria ido na frente em direção ao estacionamento e quando ela chegou ao local, se deparou com o marido no chão e sendo impedindo de se aproximar.

 

Da Redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional.

Comente: