Destaques :

Justiça decreta prisão de médico suspeito de abusar de mulheres e filmar os crimes no Ceará

Brasileiro é condenado à prisão perpétua no Reino Unido por matar ex-companheira

Internado, Agnaldo Timóteo perde 25 quilos: “Vocês vão tomar um susto”

‘Pistoleiro’ pega mais de 18 anos de prisão; réu foi contratado por irmão da vítima

Homem esmaga rosto de mulher a pedradas após ela se negar a fazer sexo

Homem procurado pela polícia suspeito de estuprar e matar cadela

Lei obriga alunos de escolas municipais a cantarem o Hino Nacional

Três tias estão envolvidas em assassinato de sobrinha, diz PC

Menina submetida a cirurgia cardíaca é retirada de lixão no Sertão

Mãe passa mal ao ver acusado de matar filha em julgamento

Ex-galã de Malhação vira motorista de Uber no Rio de Janeiro

Justiça decreta prisão de prefeito afastado de Uruburetama, acusado de abusar sexualmente de pacientes

Homem é preso em Pirajá após agredir constantemente a própria mãe, de 60 anos

Frota se diz desiludido com Bolsonaro: “Minha maior decepção”

Melhor prefeito do Brasil ganha R$ 7 mil e vai palestrar em Harvard com recursos próprios

Crise de sinusite faz cabeça de homem ficar quatro vezes maior

Redemoinho suga jovem em rio

Consultor de Trânsito faz duras críticas ao trecho da BA – 131, que liga a BR-324 à BR-407 na região de Pindobaçú

Ivete Sangalo embarca em lua de mel e diz: ‘Lugar bom de fazer mais menino’

QUE FOGO! Casal cai do 9º andar enquanto faziam sexo na varanda do apartamento

sexta, 19 de julho de 2019

Regional

Vítimas de trabalho infantil, crianças chegam a perder as digitais

Essas crianças trabalham na quebra da castanha de caju, que possui um ácido natural

No Rio Grande do Norte, crianças que trabalham no processo de quebra da castanha de caju têm suas mãos queimadas e perdem suas digitais no processo.

O óleo presente na casca da castanha de caju é ácido. Mais conhecido como LCC (Líquido da Castanha de Caju), esse líquido melado que gruda na pele e é difícil de tirar tem em sua composição ácido anacárdico, que corrói a pele, provoca irritações e queimaduras químicas.

O jornalista Daniel Santini, da Repórter Brasil, foi a João Câmara, no Rio Grande do Norte, verificar as condições das crianças que perdem as digitais no processamento da castanha.

“O óleo LCC tem uma ação irritante, ele é cáustico, produz lesões e chega a retirar as digitais”, explica o médico Salim Amed Ali, autor de diferentes estudos sobre doenças ocupacionais para a Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro), do Ministério do Trabalho e Emprego.

O médico fez pesquisas específicas sobre a saúde de trabalhadores de unidades industriais de processamento de castanhas de caju e diz que a atividade pode ser considerada insalubre.

De acordo com a reportagem, as crianças começam cedo no trabalho, às 3 horas da manhã. O sol é muito forte no Sertão, o que dificulta o trabalho. O trabalho costuma ir até as 11 horas e, à tarde, todos trabalham tirando a pele fininha.

O emprego de crianças na quebra da castanha de caju está incluído na lista de piores formas de trabalho infantil, ao lado de atividades como beneficiamento do fumo, do sisal e da cana-de-açúcar.

Os ganhos são mínimos. A castanha crua é comprada de pequenos produtores da região de Serra do Mel. Um saco de 50 kg rende, em média, 10 kg de castanha processada. As famílias ganham de R$ 30 a R$ 100 por semana, vendendo a produção a intermediários que revendem em feiras e mercados de cidades.

O Brasil se comprometeu a erradicar as piores formas de trabalho infantil até 2015, mas, mesmo com denúncias, situações com a de João Câmara persistem.

A auditora fiscal do trabalho Marinalva Cardoso Dantas, coordenadora do Fórum Estadual de Erradicação do Trabalho da Criança e de Proteção ao Adolescente Trabalhador, tem realizado sucessivas ações de fiscalização, denunciado a situação e cobrado soluções. “Não dá para aceitar que as crianças continuem nessa situação, mas não basta reprimir, é preciso oferecer alternativas”.

(Fonte:Observatório do Terceiro Setor)

O que achou desta notícia ?