Search
Close this search box.

Tragédia em polo petroquímico na Bahia termina com operário morto e MPT abre inquérito para apurar responsabilidades

O Ministério Público do Trabalho (MPT) iniciou nesta terça-feira (19) uma investigação para apurar as responsabilidades trabalhistas relacionadas ao soterramento que resultou na morte de um operário e deixou dois feridos na segunda-feira (18), durante a demolição de um galpão no Polo Industrial de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador.

A vítima fatal foi identificada como Ordiley Pereira Sodré, de 41 anos. Outras duas pessoas foram resgatadas do local com vida — uma delas foi retirada pelos bombeiros e a outra conseguiu sair quando a estrutura desabou. Ambas foram encaminhadas ao Hospital Geral de Camaçari (HGC).

O MPT está buscando informações sobre os responsáveis pelo imóvel e pela empresa responsável pela demolição. Além disso, planeja colaborar com os órgãos envolvidos no caso, incluindo o Departamento de Polícia Técnica (DPT), Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Instituto Médico Legal (IML) e a Superintendência Regional do Trabalho da Bahia (SRT-BA), que realiza perícia em casos de acidentes fatais no ambiente de trabalho para verificar o cumprimento das normas de saúde e segurança do trabalho.

Segundo o coordenador da Defesa Civil de Camaçari, Ivanaldo Soares, no momento do acidente, os trabalhadores estavam realizando a demolição de uma área de uma antiga fábrica. Ele detalhou: “Eles estavam demolindo os pop shops, galpões pré-moldados. A máquina estava em uma posição que desabou sobre a outra máquina”.

Após uma busca realizada pelo Núcleo de Operações com Cães do Corpo de Bombeiros, não foram encontradas outras vítimas na área. A causa do desabamento ainda não foi identificada.

O coordenador da Defesa Civil do município, Ivanaldo Soares, revelou que o alvará da obra estava vencido desde dezembro do ano anterior, levantando questões sobre sua legalidade e renovação. Ele solicitou a presença da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) para averiguar a situação.

Fonte: G1

Da redação do Acontece na Bahia