Morre jovem médico brasileiro voluntário nos testes da vacina de Oxford

João Pedro

Sem dúvidas, a corrida pela vacina contra o Covid-19 envolve um empenho sem precedentes. Então, para o avanço destes estudos,  algumas vacinas, que já estão em fase avançada, foram aplicadas em voluntários no Brasil. Entre elas, está a de Oxford, que conta com cerca de 8 mil voluntários brasileiros. Contudo, um deles veio falecer na última semana. Mas o que aconteceu?

O jovem médico João Pedro Feitosa, de 28 anos, participou como voluntário dos testes da vacina inglesa de Oxford. Entretanto, ele morreu na última quinta-feira, dia 15, diagnosticado com Covid-19. Além disso, a Anvisa confirmou o óbito, mas não informou se João Pedro realmente recebeu uma dose da vacina ou um placebo. Mas o que é isso? Em estudos científicos randomizados, os voluntários podem receber uma dose da substância que está sendo testada ou uma substância sem efeito biológico ativo, o chamado placebo. Dessa forma, alcança-se uma melhor assertividade quanto aos efeitos das aplicações. Em nota, a Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde João Pedro estudou, prestou solidariedade:

“João, acho que poderia nesse pequeno texto lembrar do quão bom médico e aluno exemplar você foi, mas acho que a recordação que vou mencionar a todos aqui será outra. Quero guardar para sempre o quão bom namorado, irmão e amigo você foi. A dor no peito, o vazio e saudade desde que você se foi crescem a cada instante e o que nos dá força nesse momento além do carinho de tantos amigos que você fez na vida é lembrar de como você era.”

Da Redação do Acontece na Bahia.

Tag(s): .

Categoria(s): Nacional.

Grande esperança: Brasil negocia com nove laboratórios sobre possíveis vacinas

No caso da vacina de Oxford, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável por sua fabricação no Brasil a partir da transferência de tecnologia do laboratório Astrazeneca, deu entrada no processo de submissão contínua na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Este é o momento em que os proponentes de uma vacina começam a fornecer informações e abrem o processo de análise pela Anvisa.

De acordo com a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, há perspectiva de resultados dos estudos da Fase 3 em novembro ou dezembro. Esta é a etapa em que a substância é analisada em sua aplicação em humanos. Os testes estão a cargo da Universidade Federal de São Paulo (USP).

Pelo acordo firmado, a Fiocruz vai receber o ingrediente farmacêutico ativo e deve terminar a primeira entrega de 30 milhões de doses até janeiro de 2021. Para o primeiro semestre do próximo ano, mais 100 milhões de doses. O intuito é ter no segundo semestre entre 100 e 165 milhões, totalizando entre 200 e 265 milhões no ano que vem. “Isso depende da complexidade do processo de incorporação de tecnologia”, justificou Nísia Trindade.
Covax facility
Outra frente de atuação do governo brasileiro está no consórcio de países organizado pela OMS Covax facility. O secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, informou que o Brasil pagou ontem (7) a primeira parcela. Com isso, o país passa a ter direito a resultados positivos das pesquisas e de eventuais vacinas desenvolvidas no âmbito do projeto.

O país já assegurou 40 milhões de doses para o primeiro semestre de 2021. Como a aplicação pode demandar duas doses por pessoa, Franco estimou que o produto beneficie 20 milhões de pessoas, cerca de 10% da população.

Foram escolhidos como público-alvo dessa vacina profissionais de saúde e pessoas que estão no chamado grupo de risco, que abrange idosos (60 anos ou mais) ou que apresentem condições médicas que as tornam mais vulneráveis à covid-19.

“Já temos garantido para o primeiro semestre de 2021 o acesso a 140 milhões de doses para aderir ao nosso Programa Nacional de Imunização”, afirmou o secretário executivo do Ministério da Saúde.

Programa de vacinação
Caso alguma das vacinas tenha êxito nas análises, a aplicação na população, ou nos segmentos selecionados, ocorrerá pelo Programa Nacional de Imunização.

A participação exigirá a oferta do CPF, como foi explicado pelo diretor do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (SUS), Jacson Venâncio de Barros. “O registro vai permitir o monitoramento constante de eventos adversos. Podemos ter uma, duas três, vacinas. E quando tivermos 3, 4, 10? Se não tivermos controle, ele vai tomar uma vacina A e B. A identificação unívoca vai permitir que a gente tenha a carteira nacional digital de vacinação”, justificou.

Da Agência Brasil.

Tag(s): .

Categoria(s): Nacional.