Catador de material reciclável doa R$ 140 mil para hospital que cuida de paciente com câncer

Uma linda história tem sido destaque nas redes sociais nesta quinta-feira (14). José Carlos, 59 anos, catador de recicláveis, tem dado um grande exemplo de solidariedade e amor ao próximo em Cabixi, interior de Rondônia. José tem contribuído há mais de sete anos para o Hospital de Amor, que cuida de pacientes com câncer no estado. Nestes últimos anos, já foram doados mais de R$ 140 mil, com a última doação feita por ele alcançando a quantia de R$ 41,3 mil.

De acordo com Leandro Alves, coordenador de captação de recursos do hospital, até o momento as fontes de renda mais relevantes da instituição têm sido os leilões de gado e as doações que José tem feito. “Num simples gesto de arrecadação, ele se torna um dos maiores arrecadadores e doadores do hospital de amor através da reciclagem”, contou.

Em 2013, José desenvolveu um problema de saúde e precisou se consultar com um médico cardiologista. A orientação do médico foi que ele fizesse caminhadas pela cidade, o que acabou virando uma rotina para José. Ele afirmou:

“E no decorrer dessas minhas caminhadas, eu senti um desejo de ajudar o Hospital do Amor. Como a gente não tem aquelas condições, que talvez outra pessoa tenha de fazer aquela doação anual, então eu resolvi juntar latinha”, disse José.

O rondoniense passou a reciclar por onde passava milhares de latinhas e lacres descartados no lixo. A iniciativa de Jo se espalhou e hoje conta com a participação de várias pessoas na região. Jo arrecadou mais de R$ 7 mil para o hospital em 2013. A doação dali pra frente dobou chegando a quantia de R$ 18 mil. Em 2021, José doou a quantia de R$ 41,3 mil.“Para Cabixi, ele é o nosso maior doador. Uma pessoa simples, uma pessoa humilde, mas que encontrou uma maneira de estar ajudando com nossos leilões. Isso é um exemplo a ser seguido”, disse a assistente social Maria de Lourdes.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional.

publicidade

Médica plantonista debocha de pacientes intubados com Covid-19: “Mais um eu peço música no fantástico”

Uma triste notícia circulou nas redes nesta manhã de quinta-feira (28) e causou revolta dos internautas. Uma médica recém-formada causou polêmica após fazer postagem onde brincava com dois pacientes intubados no plantão.  O fato ocorreu em um hospital de campanha no município de Guajará-Mirim, em Rondônia.

A médica Leanara Amaro Rocha em seu perfil publicou em seu perfil no instagram a seguinte mensagem: “Dois intubados no mesmo plantão kakakakka. “Mais um eu peço música no fantástico”.

Muitos internautas interpretaram as falas de Leanara como um deboche ou como uma brincadeira sem graça, principalmente quando se trata de pacientes em estado grave em uma doença tão letal como a Covid-19. Assim, a médica foi duramente criticada nas redes.

Formada no início do ano passado, Leanara estava de plantão na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de covid-19 do hospital.

A prefeitura repudio o comportamento da médica e afirmou que ela já havia pedido exoneração no início de 2021 e já está afastada.

A médica se expressou em suas redes sociais após a polêmica: “por uma publicação não pensada, sem teor nenhum de maldade ou sentimentos ruins” falou.

“jamais e por hipótese nenhuma comemoraria de maneira cruel sobre os péssimos desfechos da Covid-19″, finalizou a médica.

Da redação Acontece na Bahia.

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.

publicidade

Eleita vereadora, filha de Fernandinho Beira-Mar é acusada na justiça de ser “braço político” do pai

A vereadora eleita Fernanda Costa (MDB), filha do famoso traficante Fernandinho Beira-Mar, é acusada judicialmente de ser “braço social e político” do pai em uma ação penal.

A mulher foi eleita vereadora em Duque de Caxias (RJ) e assumiu o cargo nesta semana.

Ela e seus irmãos são investigados por uma ação penal na Justiça Federal de Rondônia por fazer parte de uma organização criminosa liderada por Beira-Mar no estado.

A Polícia Federal investiga bilhetes e gravações do traficante que foram encontradas no presídio federal de Porto Velho (RO). Assim, ele mantinha contato com a família e com membros da quadrilha e comandava não somente a comercialização internacional de drogas como também a lavagem de dinheiro.

A filha do traficante condenado a mais de 300 anos de prisão é caracterizada pelo Ministério Público de Rondônia como “responsável pelo papel social e político da organização, em razão dos serviços que presta em comunidades de Duque de Caxias”.

As acusações da justiça estão relacionadas principalmente com o suposto uso do dinheiro do tráfico para fazer atividades assistenciais nas favelas da cidade. Assim, para o MPF-RO, a prática é feita com o intuito de lavar dinheiro. As informações são do Jornal Folha de S. Paulo.

Da Redação Acontece na Bahia.

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.

publicidade