Guanambi: Delegado é afastado depois de associar o crime em que mãe e filha foram vítimas com as roupas que as duas vestiam

O delegado Rhudson Barcelos, responsável por investigar a morte de mãe e filha em Guanambi, foi afastado do caso depois de comentar sobre a roupa que as duas estavam vestindo no dia do crime. Com falas machista, o delegado relaciona o crime bárbaro às roupas que as duas usavam.

“Pelo que ficou subentendido e a gente apurou até o momento, não houve premeditação nesse crime. Ele não tinha a intenção de praticar o estupro específico com as vítimas. Foi uma questão de coincidência, porque quando ele saiu do trabalho, por volta de meio dia, ele andando pela avenida se deparou com as duas, com aquelas roupas de malhação, de caminhada, obviamente chamando atenção. Ele disse que daí começou a ter desejo sexual de estuprá-las e as seguiu. Passou por elas, estacionou e ficou esperando”, afirmou o delegado à imprensa.

Alcione Malheiros Teixeira Ribeiro, 42 anos, e Ana Júlia Teixeira Fernandes, 16 anos, foram brutalmente assassinadas no último domingo (12) depois de ser abordadas e obrigadas a entrar em um matagal enquanto caminhavam numa rodovia para encontrar com um parente. O homem suspeito do crime foi preso e confessou a autoria.

A fala do delegado gerou revolta e motivou um protesto em frente à delegacia. Assim, a Polícia Civil decidiu trocar o delegado. Como o autor do crime, o Marco Aurélio da Silva, de 36 anos, foi preso, o novo delegado investigará se houve outros envolvidos no caso.

 

Da Redação do Acontece na Bahia

 

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.

Adolescente acusada de ser cumplice do assassinato da mãe e irmã planejou o crime junto com o padrasto, afirma a polícia

O caso que chocou o país nos últimos dias continua gerando desdobramentos nesta quinta-feira (11). A polícia desconfia que a adolescente de 16 anos que é suspeita de participar do assassinato da mãe e da irmã de 9 anos, em Pompeia (SP), combinou o crime com o padrasto. De acordo com a polícia, a garota estaria apaixonada por ele.

“Ela [a adolescente] tinha problemas com a mãe. Ela não gostava da mãe, conforme relatou. Aí ficou apaixonada pelo cara [padrasto] e combinaram de matar a mãe”, afirmou o delegado Cláudio Anunciato Filho.

A mulher Cristiane Pedroso dos Santos Arena, de 34 anos, e a filha Karoline Vitória dos Santos Guimarães, de 9 anos, estavam desaparecidas desde o final do ano passado. O corpo das duas foi encontrado recentemente, enterradas sob concreto na casa da família.

Assim, no dia que a equipe de policiais encontrou os corpos, a filha de 16 anos foi apreendida, suspeita de ter participação no assassinato. Já o padrasto da menina apenas foi localizado na segunda-feira, dia 8 de fevereiro, em Campo Grande.

Após a prisão, o homem confessou o assassinato e alegou legítima defesa contra a mãe, que foi morta com golpes de faca, e contou que matou a menina de 9 anos asfixiada, após a garota questionar o sumiço de Cristiane.

“Primeiro ele matou a mulher porque a filha não gostava da mãe, e já tinha rixa com ela. Eles estavam apaixonados. E aí depois mataram a menina, não porque ninguém gostava da menina, mas para ocultar o crime. A morte da menina foi para não vir à tona o primeiro homicídio”, esclarece o delegado.

A adolescente nega ter participado do crime, porém, a principal linha de investigação se baseia em um suposto caso amoroso que ela teria com o padrasto. De acordo com o delegado, a menina indicou o local exato onde a mãe e a irmã estavam enterradas.

“Ele [Fabrício] confirmou que mantinha um relacionamento com ela [a adolescente] a partir do momento que ela fez 15 anos, em 2019. A partir daí, eles começaram a conviver praticamente como marido e mulher e o relacionamento dele com a esposa Cristiane foi enfraquecendo”, contou o delegado.

Da redação Acontece na Bahia.

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.

Mãe e filha desaparecidas foram obrigadas a cavar as próprias covas, diz irmã

Neste domingo (7), a história de uma família voltou a repercutir nas redes. Isso porque história que chocou o Brasil ganhou novas informações.

Após meses desaparecidas, Cristiane Arena, de 34 anos, e a filha dela Karoline Vitória, de 9 anos, foram encontradas enterradas na própria casa onde viviam. As autoridades receberam, da própria filha mais velha de Cristiane, de 16 anos, informações que levaram aos corpos da mãe e da irmã. Então, constatou-se também que essa adolescente também teria participação nas mortes. Além disso, a jovem estaria num relacionamento com o padrasto, que é o principal suspeito no caso. Agora, as autoridades receberam um depoimento da irmã de Cristiane.

Segundo essa irmã, as vítimas foram obrigadas a cavar as próprias covas:

“A minha irmã cavou a própria sepultura. À meia-noite, a minha irmã cavou a sepultura dela, arrancou toda a terra, jogou tudo lá pra frente. Bateu massa, concreto, nesse dia. No outro dia, a minha irmã não bateu massa. Quem bateu massa pra ajudar a preencher o buraco foi a filha”

Alguns vizinhos haviam alertado o pai de Cristiane sobre o sumiço da filha  e da neta, pois só viam a filha adolescente de 16 anos e marido de Cristiane. Para a família, as duas estavam sob cárcere de privado.

Cristiane foi morta há meses com facadas e a criança de 9 anos com uma pancada na cabeça. Cristiane estava enterrada em uma cova de 1,5m e para encontra-la foi preciso uma retroescavadeira.

Da Redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.