Jaques Wagner afirma que fila de 2,2 milhões no programa Bolsa Família mostra o descaso do governo com o problema da fome

Uma notícia tem repercutido nas redes sociais nesta quarta-feira (29). O senador Jaques Wagner (PT-BA), usou as redes sociais para fazer críticas ao governo Bolsonaro em razão do aumento no número de brasileiros à espera do programa Bolsa Família. Atualmente existem 2,2 milhões de pessoas que aguardam o benefício.

O senador fez questão de compartilhar um link de uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo que mostra que no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a taxa de mortalidade infantil no país foi reduzida em 17% em razão da criação do programa.

O estudo feito por pesquisadores do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs) da Fiocruz Bahia, em parceria com a Universidade Federal da Bahia (UFBA) e a Escola de Medicina Tropical e Higiene de Londres, apontou que o programa Bolsa Família deu passos importantes positivos em melhorias de saúde de crianças no Brasil, em dez anos, de 2006 a 2015.

“Criado em 2003, no 1º ano de governo do presidente @LulaOficial, o Bolsa Família se tornou referência mundial no combate à exclusão e à pobreza. Esse estudo só reafirma o quanto ele foi fundamental para salvar vidas e retirar o Brasil do Mapa da Fome”, escreveu Jaques Wagner em seu perfil no Twitter.

O senador lamentou o aumento de 20% em quatro meses do número de pessoas na fila de espera do benefício Bolsa Família e disse que a situação é ‘resultado cruel’ de um governo federal irresponsável e sem competência de resolver os problemas da fome, inflação e desemprego.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , , , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional, Politica.

Jaques Wagner afirma que base estadual irá superar divergências e estará unida em 2022

Uma notícia tem sido destaque nas redes sociais neste sábado (3). Diante das divergências entre aliados por causa de lugares na composição da chapa para as eleições de 2022, o senador Jaques Wagner afirmou que a base de apoio ao governo estadual, composta pelo PT, PSD e PP, estará unida para as eleições do ano que vem. “O que posso garantir é que o grupo vai se manter unido. Nós temos maturidade suficiente, temos uma condição feita pela Bahia, temos o crescimento de todos os partidos da base”, comentou Wagner, avaliado como potencial candidato ao governo estadual nas próximas eleições.

“Seria uma bravata dizer que não estaremos juntos para nos apresentar perante o povo baiano no ano eleitoral, que é o ano que vem”, disse o potencial candidato. A fala do senador Jaques Wagner foi uma resposta a posicionamentos de aliados políticos como o senador Angelo Coronel (PSD) e o vice-governador João Leão (PP), que apontaram interesses destes partidos em encabeçar a chapa para a disputa das próximas eleições. Angelo Coronel tem defendido também o nome do senador Otto Alencar e o Progressistas defendem o nome de Leão para o pleito de 2022.

“As pessoas têm liberdade, é legítimo. Um quer ser senador, outro quer ser governador, mas nós vamos sentar e vamos nos entender”, afirmou Wagner. Mas não é só isso…

Jaques Wagner rebateu críticas de que o PT não estaria empenhado na defesa do impeachment de Bolsonaro. O senador disse que o partido tem se mobilizado e que a prova seria a assinatura do superpedido de impeachment, protocolado nessa quarta-feira (30), na Câmara dos Deputados.

O senador disse que estar à frente deste processo pode criar interpretações de que o PT teria intensão eleitoral, o que não é verdade. “Nós temos responsabilidade sobre o Brasil, porque governamos o Brasil durante 16 anos, praticamente. Nós estamos completamente dentro da campanha”, concluiu.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque, Regional.

Para 2022, Jaques Wagner idealiza e confirma dobradinha com Lula: “Lula lá e Galego aqui”

Ocupando, atualmente, uma cadeira no Senado Federal, o ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) afirmou em declaração dada à rádio metrópole, nesta segunda feira (19), que o partido dos trabalhadores já trabalha com consenso para que seu nome concorra ao governo estadual baiano nas eleições de 2022. Além disso, o senador vislumbra uma dobradinha apoiada pela legenda: “Lula lá e Galego aqui”.

Ainda para a rádio metrópole contou: “Até agora, o que todos os partidos da base acham que congregam, que junta o grupo, é o meu nome. Se for para manter esse conjunto que a gente montou há 14 anos, estou aqui colocado. Meu nome tá colocado. O desenho de 2022 não está traçado. O Lula é candidato? A realidade é uma”

O ex-governador revelou, ainda, que pensando na próxima eleição, o ex-presidente Lula já se considera apto para enfrentar o atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e brincou: “Falei sexta-feira com ele. O Lula está em condições totais, tanto fisicamente quanto juridicamente, eleitoralmente, ser candidato. Ele falou que quer fazer reunião com senadores da Bahia, quer conversar, ou seja, ele já está começando a fazer todos os contatos para preparar. Lulinha lá e Galego aqui é uma dupla que tem o que mostrar. Essa que é a realidade”.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , , .

Categoria(s): Destaque.

Auxílio emergencial: Senador Jaques Wagner apresenta emenda para que benefício seja de R$ 600

Uma notícia tem sido destaque nas redes sociais nesta segunda-feira (22). Uma emenda à medida Provisória do auxílio emergencial apresentada pelo senador Jaques Wagner, tem o objetivo de mudar a proposta feita pelo governo e ser sensível ao clamor de uma sociedade que sofre as consequências da pandemia. 

Segundo o entendimento e sugestão do Senador, o valor a ser disponibilizado deve ser de R$ 600 e as parcelas comtempladas passam de quatro para nove no total. 

“Volto a dizer que é um grande erro reduzir o auxílio. O valor de R$ 250, proposto pelo governo, é insuficiente e acentuará ainda mais o grave quadro social, econômico e sanitário que já se encontrava o nosso país”, informou. 

O senador ainda completou: “O Brasil deve atingir, ainda em março, a terrível marca de 300 mil mortes causadas pelo novo coronavírus. E a única alternativa para conter o avanço dos casos e de mortes, até que haja vacina para todos, é por meio do isolamento social. Sendo assim, o Estado precisa prover uma renda que permita que uma parcela significativa da população fique em casa sem passar fome”. 

Jaques Wagner destacou que o futuro ainda é incerto quanto a chegada de vacinas e reforçou a necessidade de que o auxílio emergencial seja no valor ofertado anteriormente com a dimensão estabelecida pelo Congresso Nacional até o final do ano com possibilidade de renovação em 2022 caso se mostre necessário. 

 

Da redação do Acontece na Bahia 

 

Tag(s): , .

Categoria(s): Destaque, Nacional, Social.