Idoso pula na água e abre a boca de jacaré com as próprias mãos para salvar cachorrinho

Nessa quinta-feira (26) uma história inusitada tomou as redes. Já imaginou se ao passear com seu cachorrinho ele acabasse abocanhado por um jacaré? O desespero seria a reação de muitos, mas esse senhor preferiu pular na água com o bicho e resgatar o cachorro.

Tudo começou quando o senhor Richard Wilbanks, de 74 anos, saiu para passear com o cachorro. Ele mora na Flórida e tem um lago bem perto de sua casa. Como passeava com certa frequência, ele não imaginou que o seu bichinho estivesse em perigo. Contudo, o animal acabou surpreendido por um jacaré, que o abocanhou e o levou para dentro d’água.

Diante daquilo, Richard precisou tomar uma decisão rápida para salvar a vida do seu cão. O idoso não pensou duas vezes: ele pulou na água e levantou o jacaré com as próprias mãos. Tratava-se de um réptil jovem e por isso o senhor conseguiu levanta-lo com certa força. O cachorro estava apenas com as patinhas traseiras e parte do corpo preso na boca do animal, mas não foi nada fácil tirá-lo de lá. O idoso colocou as mãos dentro da boca do jacaré e tentou abri-la como uma tesoura. Entretanto, os dentes afiados machucaram seus dedos. Mesmo assim, ele não desiste, sobe mais até a margem e continua a luta. Em dado momento, o jacaré se cansa e solta o cachorrinho. O vovô respira aliviado com o sucesso do seu resgate e solta o predador no lago. De acordo com a mídia local, como resgate aconteceu rápido, o cachorrinho não ficou muito ferido e está bem.

Da Redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , , .

Categoria(s): Destaque, Internacional.

Jacaré, do grupo É o Tchan, desabafa sobre problemas escondidos durante a carreira: “Chorava muito”

Nesta quarta-feira (25) repercutiu bastante o desabafo de Edson Cardoso, o Jacaré do É o Tchan. Edson relembrou situações difíceis em que passou na carreira com o grupo e revelou que chorava muito em alguns desses episódios. Mas afinal, o que aconteceu?

Edson relatou que mesmo com toda a equipe ensaiando e trabalhando junto nas coreografias, Carla Perez, a loira do Tchan, era sempre destaque em detrimento do restante do grupo, que era composto por negros. Ele também contou que o restante do grupo mal aparecia nas gravações. Então, em entrevista ao Men Do Not Dance, Jacaré explicou: “Dentro da TV, todo mundo ia só em cima da Carla Perez. Quando a gente assistia, não aparecia a gente, pois queriam mostrar só a Carla. É culpa do sistema, da sociedade, que quer mostrar sempre a mulher. Eram quatro negros, eu, Beto Jamaica, Compadre Washington e Débora Brasil. Chamavam sempre a loura, não a Débora.” Mas não é só isso.

Além disso, Jacaré falou que todos ficavam muito tristes e choravam porque trabalhavam duro nos ensaios e mesmo assim não apareciam:

” É muito difícil você criar, contar, parar, pensar… Por mais que seja simples, mas era um desafio sempre. E a gente tinha que fazer uma coreografia que todo mundo repetisse. A gente ficava muito triste. Todo o grupo ficava muito triste, não só eu. A gente batalha tanto, ensaia, cria, e os caras fazem isso, jogam só para uma pessoa. Teve programas que não queria fazer. Chegava no camarim e chorava muito.”

Hoje em dia Edson vive no Canadá com a família e trabalha numa agência de imigração.

Da Redação do Acontece na Bahia.

Tag(s): , , .

Categoria(s): Nacional.