Bombeiro doa a própria comida a idoso que esperou 6h dentro de ambulância

Uma boa notícia causou comoção nas redes sociais neste sábado (23). Um bombeiro doou a própria comida a um idoso que aguardava para ser internado a mais de 6 horas dentro de uma ambulância.

A cena comoveu diversas pessoas e demonstrou a empatia dos profissionais da saúde que estão diariamente na linha de frente no combate ao coronavírus.

O bombeiro afirmou que não aguentou ver o senhor de 80 anos ficar esperando para ser internado com sintomas de covid.

Assim, ele decidiu dar a própria comida para o idoso e, além disso, serviu o alimento na boca do idoso, que estava incapaz de comer sozinho.

O senhor de 80 anos é diabético e não poderia ficar mais de 3 horas sem se alimentar, correndo o risco de sofrer uma hipoglicemia. Nesse contexto, o Bombeiro agiu e comoveu as redes.

O tocante caso ocorreu em Portugal e o Bombeiro faz parte da corporação de Miranda do Corvo.

Veja o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=QGMYMSZQYyA&feature=emb_title&ab_channel=Reda%C3%A7%C3%A3oMCR

Da Redação Acontece na Bahia

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.

Artista de rua estava trocando seus artesanatos por fraudas e leite para seu filho e recebe ajuda surpreendente

Uma bela história circulou nas redes nesta manhã de sexta-feira (22). Todos sabemos como uma criança pode mudar nossa vida de cabeça para baixo. Noites de sono, saídas de lazer e até o próprio trabalho nunca mais serão o mesmo com a chegada de uma criança. Muitas pessoas se veem em uma situação difícil após ter um filho. Custos de alimentação, frauda, médico, remédios são acrescidos no orçamento da família e nem sempre cabem no bolso das pessoas.

Assim, isso foi o que aconteceu com o jovem protagonista desta história. Carlos e sua esposa trabalhavam vendendo artesanato na cidade de Oaxaca, no México. Dessa forma, após a chegada de mais uma vida na família, no final do ano passado, as coisas complicaram um pouco mais.

Com a vinda da criança em um contexto tão complicado como o da pandemia de coronavírus, os pais da criança se viram sem opção a não ser buscar ajuda nas ruas. Assim, sem muitas vendas, uma vez que seus clientes eram, em grande parte, turistas, o casal foi para ruas e oferecia sua mercadoria em troca de fraudas, leite e roupas para o seu bebê. “Não pediam caridade alguma, querem apenas vender seus produtos”, informava a legenda da foto.

Em pouco tempo, o casal viralizou na rede pela simplicidade de seu pedido. Assim, centenas de pessoas, sensibilizadas com a situação do casal, resolveram ajudar e compartilhar a publicação.

Assim, o casal conseguiu a simpatia de diversas pessoas e a ajuda chegou. Tantas mercadorias foram trocadas pelos artesanatos e doadas que o casal precisou de um caminhão para transportar tudo.

“É bom ver que, como povo, somos solidários”, escreveu um homem no grupo do Facebook.

Segundo a mídia local, o casal recebeu pacotes de fraldas, leite em pó e todo tipo de comida, além de roupas e cobertores. Além disso, receberam uma cadeira de balanço e um carrinho para transportar a criança.

Quando usadas para o bem, as redes sociais podem mudar a vida das pessoas para melhor, como aconteceu com Carlos e diversas outras pessoas.

Da redação Acontece na Bahia.

 

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.

Mulher alagoana é aprovada na Universidade de Havard: “Uso esse chapéu para lembrar das minhas origens”

Uma história inspiradora circulou nas redes na manhã desta segunda-feira (18). Natália Cecília Carvalho Ribeiro, de 23 anos, nascida em Arapiraca, conseguiu um incrível feito. Ela foi aprovada em uma das Universidades mais prestigiadas e aclamadas do mundo, A Havard University, nos Estados Unidos.

A jovem foi aprovada para estudar economia por um ano na Faculty of Arts & Sciences, em Harvard.

A moça contou sua história ao TNH1, jornal Alagoense. Assim, Natália foi aprovada em sua segunda tentativa de ingressar no programa e afirma que está com expectativas elevadas neste curso.

O sucesso de Natália é fruto aos vários anos de estudo e dedicação. Ela foi embaixadora da Brasil Conference, evento organizado pela comunidade brasileira de estudantes, em Boston (EUA). Durante o evento, Natália usou um chapéu de couro, vestimenta típica do sertão nordestino, e afirmou que usa o acessório para lembrar de sua terra e suas origens.

O objetivo de Natália é estudar e absorver muitas informações na melhor faculdade do mundo e, posteriormente, trazer esse conhecimento de volta a sua terra natal. Assim, ela o intuito de contribuir com o estado de Alagoas e ajudá-lo a se tornar um lugar diferente e cada vez melhor para se morar.

Da redação Acontece na Bahia.

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.

Idoso de 87 anos que sonhava em ser médico conclui metade do curso de medicina e viraliza na internet: “Sonho de criança”

Uma notícia tomou as redes sociais na manhã de quinta-feira (14). O empresário Valdomiro de Sousa está a caminho de realizar um sonho de criança: Ser médico. O homem de 87 anos concluiu neste semestre a metade do curso e afirma que não realizou o sonho antes pois não teve condições financeiras quando novo.

“Tive uma vida muito sofrida, já fui pobre demais, trabalhei de pedreiro, de servente, já fiz caixão, trabalhei de tudo que puder imaginar. Melhorei minhas condições para poder bancar o curso, consegui me organizar estudando e trabalhando”, conta.

Valdomiro conta que é formado em contabilidade e direito, porém, não se encontrou em nenhuma das duas profissões. Assim, após se encontrar estável economicamente, ele decidiu perseguir um sonho de infância.

Valdomiro prestou três vestibulares, aos 84 anos, antes de ser aprovado em uma faculdade de medicina particular de Goiânia. A mensalidade média da faculdade é de R$7,5 mil.

“Foi muito difícil, mas é um sonho de muitos anos, um sonho de criança, então, corri atrás. Até hoje não me canso de admirar a profissão de médico”, comentou.

As fotos do ensaio de “meio médico” do idoso viralizaram nas redes sociais. O ensaio é uma prática comum entre os estudantes de medicina que concluem metade do curso, que dura 6 anos. Assim, as fotos inspiram e motivam diversas pessoas a perseguir seus sonhos independentemente de suas condições.

Valdomiro de Sousa em ensaio 'meio médico', em Goiânia — Foto: Gregore Miranda/Divulgação

“Ele é uma inspiração para a turma toda dele e faz vários planos para o futuro. Quando se formar, aos 90, ele ainda quer fazer uma especialização. Os jovens costumam colocar dificuldade em tudo, ficam arranjando desculpas, e ele nos dá esse exemplo, vai lá e faz tudo”, conta o fotografo Gregore Miranda que fotografou Valdomiro.

Da redação Acontece na Bahia.

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.

Ex-feirante baiano se torna pesquisador da USP e estuda novas vacinas para Covid-19

Gustavo Cabral de Miranda é o nome do cientista biológico baiano que integra a equipe de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da USP e busca desenvolver uma vacina para Covid-19 brasileira. Pórem, diferente de alguns cientistas, a luta de Gustavo é de luta e inspira diversas pessoas ao seu redor.

Aos sete anos, Guga já trabalhava com sua família na roça, plantando feijão e milho para vender posteriormente na feira da cidade de Tucano, na Bahia.

Apesar da história de sucesso, a trajetória escolar de Gustavo não foi das melhores. O homem repetiu três vezes a oitava série, mas, aos 18 anos decidiu que não teria o mesmo destino dos irmãos, que abandonaram os estudos no ensino médico.

Hoje, com 38 anos, Gustavo Cabral tem pós-doutorado na conceituada Universidade de Oxford e faz parte do time de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da USP.

De acordo com Gustavo, vinte anos separam o passado de feirante e o presente de Doutor.

“Sempre fui um menino esperto para negócios” afirmou. Vendia geladinho, comprava galinhas, vendia, comprava um porco, depois já tinha um bezerro”, completou.

Aos 15 anos, ele decidiu sair de casa e morar no município de Euclides da Cunha (BA). Assim, apenas um ano depois, Gustavo já tinha sua própria bancada de carne. Pouco tempo depois ele comprou a segunda na cidade de Monte Santo (BA).

“Ia para a escola à noite, mas não conseguia concluir o ano letivo. Acordava às 3h para ir para o açougue. Trabalhava até as 15h, voltava para casa e tinha que fazer minha comida.”

Após repetir três vezes na terceira série, Gustavo decidiu mudar de vida. Ele afirma que sempre sonhou alto e que desejava a boa vida das pessoas que estudavam. Assim, ao terminar o ensino médio, aos 21 anos, ele entrou em um curso preparatório para vestibular.

Gustavo prestou e passou em ciências biológicas na Universidade do Estado da Bahia, no campus do Senhor do Bonfim. Assim, ele iniciou sua carreira acadêmica.

“Tinha residência universitária e foi para lá que eu fui. Comecei a trabalhar com saúde pública e meio ambiente, doenças parasitárias e comunidades quilombolas.”

Em seguida, Gustavo fez mestrado em imunologia na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Além disso, ele deu continuidade em seus estudos na faculdade mais conceituada do país. Ele realizou seu doutorado na Universidade de São Paulo (USP), o que abriu portas para ele ir ainda mais longe.

“Eu via o pessoal fazendo o doutorado sanduíche, indo para outros países e decidi que seguiria o mesmo caminho. Mas meu inglês era muito mediano. Fui então para o instituto de engenharia e nanotecnologia do Porto, em Portugal.” Nesse período, fez um curso de imersão de inglês na Irlanda. “Foi um mês que pareceu um ano.”

Posteriormente, Gustavo chegou ao ápice dos seus estudos. Ele foi aceito para um doutorado na Universidade de Oxford, Reino Unido, uma das melhores Universidades do mundo. Assim, ele ficou três anos trabalhando no Instituto Jenner, referência mundial e onde está sendo desenvolvida a “vacina de Oxford”, licenciada pela farmacêutica AstraZeneca.

Assim, Gustavo é exemplo e inspiração para diversos jovens baianos que, apesar das dificuldades, desejam ascender socialmente através dos estudos.

Da redação Acontece na Bahia.

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.