Cláudia Rodrigues tem melhora com o uso de drogas contra esclerose múltipla

Cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, descobriram que um remédio usado contra o câncer pode dar resultados também contra a esclerose múltipla, doença que afeta entre outros, a atriz Cláudia Rodrigues.

A humorista foi diagnosticada com esclerose múltipla em 2000 e se afastou da televisão em 2013. Desde então ela teve redução de 30% da massa encefálica em decorrência da progressão do problema de saúde e vem fazendo tratamentos alternativos para conter o avanço e sequelas.

O cientistas europeus descobriram que a droga bexaroteno regenera a bainha de mielina – o alvo do distúrbio autoimune da esclerose múltipla – ou seja, ela repara danos nos nervos e isso dá esperança para um futuro tratamento contra a doença.

A descoberta foi feita num recente ensaio clínico de fase 2, pesquisa financiada por uma bolsa de £ 250.000 para a MS Society UK.

O professor Alasdair Coles, da Universidade de Cambridge, disse que “As lições que aprendemos são incrivelmente emocionantes, pois agora temos mais evidências concretas de que a remielinização – regeneração – em humanos é possível.

Esta descoberta nos dá a confiança de que vamos frear a esclereose múltipla e rapidamente seremos levados adiante em estudos adicionais para testar outros novos tratamentos potenciais de reparo da mielina”, afirmou.

Uma camada lipídica protetora em torno dos nervos no cérebro e na medula espinhal, a bainha de mielina é direcionada incorretamente pelas células do sistema imunológico em pacientes com esclerose múltiplia, o que leva aos sintomas da doença de neurodegeneração e deficiência.

O estudo mostrou que o bexaroteno foi capaz de recuperar esses nervos danificados.

A razão pela qual novos tratamentos de reparo da mielina seriam necessários é porque a droga, normalmente destinada a pacientes com câncer, cria alguns efeitos colaterais graves, como lipídios elevados no sangue e doenças da tireoide e, portanto, não pode ser usada como um tratamento.

O co-pesquisador Professor Siddharthan Chandran, da Universidade de Edimburgo, sentiu que este é um passo à frente, porque o reparo da mielina agora está confirmado como possível, e também porque as propriedades do bexaroteno poderiam ser examinadas para encontrar futuros candidatos a drogas que não tenham lado sério efeitos.

“Agora entendemos muito mais sobre o reparo da mielina e estamos em uma posição significativamente melhor para medir a remielinização em testes clínicos”, disse Chandran.

“Enquanto este trabalho estava ocorrendo, pesquisas de laboratório adicionais identificaram tratamentos novos e mais toleráveis ​​que poderiam reparar a mielina, e esperamos que eles sejam testados em testes eminentemente.”

A Sociedade de Esclerose Múltipla não está contando apenas com os testes com bexaroteno, mas também está lançando um teste clínico de Fase 2 baseado em pesquisas de 2019 que demonstram que uma combinação do medicamento para diabetes metformina e um anti-histamínico chamado Clemastina também levou à regeneração de uma bainha de mielina danificada pela esclerose múltipla.

“A metformina é um dos desenvolvimentos mais interessantes no reparo da mielina que já vimos. Nossas descobertas no ano passado lançaram luz sobre por que as células perdem sua capacidade de regenerar a mielina e como esse processo pode ser revertido”, disse o professor Robin Franklin, também de Cambridge, que liderou o estudo de 2019.

“Estamos muito orgulhosos de ter feito este trabalho e emocionados em ver nossa descoberta levada adiante tão rapidamente.”

Tag(s): , , , .

Categoria(s): Social.