“À espera de um milagre”: Após cirurgia plástica, professora de 35 anos é internada em estado grave e família pede orações

Nesses últimos dias notícias tristes referentes a procedimentos que envolvem estética têm se tornado cada vez mais comuns. Desta vez a vítima foi uma professora, de 35 anos, da rede pública de Balneário Camboriú, no Litoral Norte, que está internada em estado grave após passar por uma cirurgia plástica. O procedimento aconteceu em um hospital de Tijucas, na mesma região, e acende o alerta para toda a população.

De acordo com o companheiro de Roberta Lopes dos Passos, Leandro Akajhdfud, a professora passou por procedimentos de abdominoplastia, mamoplastia e lipoaspiração abdominal no dia 15 de dezembro, informou nessa quarta-feira (22) ao portal g1.

Roberta sofreu uma hemorragia e foi encaminhada, no dia seguinte, para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital do Coração em Balneário Camboriú, onde permanece internada até o momento.

“Ela hoje está com um problema no fígado, no rim e a pressão muito baixa. Ela está em coma induzido. Estamos à espera de um milagre”, lamentou o companheiro de Roberta, Leandro Akajhdfud.

Há a suspeita pela família de que após a cirurgia alguma coisa deu errado “e isso não foi visto a tempo”, afirmou Leandro.

“Ela passou a noite inteira sentido muita dor e ninguém chegou para ver isso. […] Quando minha sogra relatou ao cirurgião que a Roberta não estava bem, esse disse que não falaram pra ele”, explicou.

O companheiro de Roberta disse que contratou um advogado para investigar o caso com o objetivo de saber se aconteceu algum tipo de negligência, omissão ou falha médica, “A gente só quer Justiça”, afirmou.

O cirurgião apontado como responsável por ter realizado o procedimento de Roberta foi procurado, mas ainda não se manifestou sobre o assunto.

Os procedimentos aos quais Roberta se submeteu duraram cerca de seis horas e a mãe a acompanhou após o procedimento.
“Ela [Roberta] perguntava para a minha sogra se a cinta estava muito apertada porque ela estava sentido muita dor no abdômen. Mas o médico toda hora falava que aquilo era normal. Ela passou a noite toda assim”, contou o marido.

Entretanto, o quadro clínico de Roberta piorou no dia seguinte, durante o período da manhã.

“Minha sogra notou que ela estava tendo falência. E aí ela saiu berrando pelos corredores do hospital. Os médicos apareceram e levaram ela para o centro cirúrgico. Lá notaram a questão da hemorragia. Para realizar a transferência, por estar muito debilitada, ela teve que receber bolsas de sangue”, contou o marido.

De acordo com Leandro, houve informações desencontradas pela equipe médica que realizou a cirurgia durante o processo de transferência para outro hospital, uma vez que a unidade de saúde em que Roberta estava não tinha Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Quando ela estava na maca da ambulância a anestesista que estava junto com o cirurgião me falou de uma parada cardíaca. E que havia sido muito rápida. Mas depois, conversando com o médico no hospital, ele me disse que no prontuário dela constam oito minutos de parada. Lá tratavam um caso que estava apenas demandando cuidados, mas quando chegou aqui [no hospital de Balneário Camboriú] já me disseram que o estado dela era super grave, com risco de óbito. E nada disse foi dito pra gente”, afirmou.

Leandro disse que e esposa vinha planejando a cirurgia desde o começo de 2021.”Ela tinha os seios muito grandes e vinha atrapalhando há anos a coluna dela. A primeira ideia era só fazer a redução de mamas e colocar a prótese. Mas depois, por uma questão estética, ela resolveu fazer estes outros procedimentos”, explicou o marido.

A professora Roberta é mãe de dois meninos, um de três e outro de seis anos.”Eles [os meninos] pedem por ela todo o dia e toda a hora. Mas estamos acreditando que possa acontecer um milagre”, finalizou.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): .

Categoria(s): Destaque, Politica.

Jovem de 27 anos morre após fazer 3 cirurgias plástica de uma vez; médico afirma que protocolos de segurança foram seguidos

Uma notícia tomou os noticiários brasileiros nesta manhã de quinta-feira (15) e causou burburinho nas redes sociais. Uma jovem de 27 anos faleceu na última quarta-feira (14) após se submeter a uma cirurgia estética em Cuiabá.

A mulher, identificada como Eliza da Silva realizou um procedimento de lipoescultura com enxerto de gordura em glúteo, abdominoplastia e correção de uma cicatriz na mama, devido a uma cirurgia anterior feita por outro médico.

De acordo com os advogados do médico responsável pela cirurgia, Alexandre Veloso, todos os protocolos padrões foram realizados antes da cirurgia.

De acordo com ele, na consulta com anestesista e cardiologista antes da cirurgia, ela não apresentou nenhuma anormalidade. Assim, a cirurgia teve o aval para acontecer.

O procedimento ocorreu as 8h da terça-feira (13) e continuou até as 14h do mesmo dia. Ela apresentou uma boa recuperação.

Porém, por volta das 19 horas a Eliza apresentou uma falta de ar. Assim, às 20h o médico Alexandre Veloso se encontrou com a jovem e relatou que não havia tido mais falta de ar e mantinha um quadro clínico estave.

No entanto, na madrugada da quarta-feira (14), a moça teve uma parada cardíaca e veio a falecer pouco tempo depois.

A assessoria jurídica do médico afirma em nota que todos os procedimentos de segurança foram seguidos e não houve erro médico:

A Assessoria Jurídica do Médico Cirurgião Plástico Alexandre Veloso vem a público manifestar que:

  1. Realizou com rigor e à risca todos os procedimentos padrões de praxe pré-operatório para que a cirurgia plástica na paciente pudesse ser realizada com segurança;
  2. Em pré-consulta com médicos anestesista e cardiologista, a paciente realizou todos os exames necessários e os mesmos não apresentaram nenhuma anormalidade. Portanto, a paciente estava apta ao procedimento e, assim, foi liberada para realizá-lo;
  3. Os procedimentos cirúrgicos realizados foram: lipoescultura com enxerto de gordura em glúteo, abdominoplastia e correção de uma cicatriz na mama (decorrência de outro procedimento médico não realizado pelo doutor Alexandre Veloso);
  4. A cirurgia da paciente foi realizada das 8h às 14h desta terça-feira (13). Após este horário, ela foi levada ao quarto e apresentou boa recuperação;
  5. Às 19h, a jovem se queixou de falta de ar e foi imediatamente assistida pela equipe qualificada presente na clínica. O médico de plantão solicitou os exames, que não mostraram nenhuma alteração em seu quadro clínico. Às 20h, o médico Alexandre Veloso esteve com a jovem e a mesma não apresentou mais falta de ar, e os parâmetros vitais permaneceram estáveis;
  6. Por volta da meia noite desta quarta-feira (14), a jovem apresentou uma instabilidade em seu quadro e teve uma parada cardíaca. A jovem foi imediatamente atendida pela equipe médica;
  7. Quando da necessidade de transferência para uma Unidade Intensiva de Saúde (UTI), a jovem recebeu atenção imediata e o médico se prontificou a encaminhá-la ao Hospital Santa Rosa. Lamentavelmente, a jovem veio a óbito na data de hoje;
  8. Devido ao lamentável fato, a assessoria jurídica do médico Alexandre Veloso informa que colocou assistentes sociais e psicólogas para prestarem atendimento aos familiares da jovem;
  9. Vale reforçar que prestou todos os atendimentos necessários e em momento algum se furtou de estar presente e acompanhando a jovem. O profissional também informa que o médico está a inteira disposição dos familiares da jovem e dos órgãos competentes para prestar qualquer esclarecimento.
  10. Em nome de todo corpo clínico que participou deste procedimento e dos que fizeram o atendimento posterior, principalmente em nome do médico Alexandre Veloso, a assessoria jurídica esclarece que todo procedimento cirúrgico possui risco, mas se coloca à disposição da família, da mídia e protocolos legais na certeza de que cumpriram todos os protocolos de segurança e saúde.
  11. Por fim, o médico Alexandre Veloso externa seu mais profundo sentimento de pesar.

 

 

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque.