Pai do menino Henry se indigna com argumento de habeas corpus de Dr. Jairinho: “Ele nunca exerceu”

Nesta segunda-feira (30), um caso voltou com força à pauta. Ao desabafar, um pai demonstrou toda a sua dor e indignação ao falar sobre um pedido de habeas corpus.

O engenheiro Lionel Borel, pai do menino Henry, que morreu em março após ter mais de 20 lesões, desabafou sobre o pedido de liberdade do principal acusado no caso, o ex-vereador Dr.Jairinho. De nome Jairo Souza Santos Júnior, o Jairinho, também é médico e sua defesa está alegando que ele deve ter seu o habeas corpus aceito porque irá exercer essa profissão. Diante disso, Lionel se indignou e um fato importante voltou à tona.

Durante depoimento poucas semanas após a morte de Henry, Lionel afirmou que Jairinho alegou não prestar os primeiros socorros porque nunca havia exercido a medicina: “Ele disse que só tinha feito respiração boca a boca em boneco.” Portanto, o argumento da defesa não seria justificado.

Um ano pós se formar em medicina, Jairinho foi eleito para vereador e ficou no cargo por cinco mandatos. Contudo, após a grande repercussão do caso, ele acabou cassado e deixou a cadeira na Câmara em abril deste ano. Jairinho segue preso até então.

Da Redação do Acontece na Bahia.

Tag(s): , .

Categoria(s): Nacional.

Mãe de Menino Henry pede para deixar a prisão para poder acompanhar enterro do pai

Na tarde desta segunda-feira (12), um caso voltou à tona. A mãe do menino Henry, Monique Medeiros, pediu autorização da justiça para deixar a cadeia por conta de um motivo de última hora.

Presa após a morte do menino Henry Borel, filho dela de 4 anos, que não resistiu após ser agredido pelo médico e ex-vereador Dr. Jairinho, ex-parceiro dela, Monique também acabou acusada no caso.

Contudo, ainda na prisão, agora ela recebeu a notícia de uma outra perda. O pai de Monique, Fernando José Fernandes da Costa e Silva, estava internado num hospital lutando contra a covid-19, mas acabou não resistindo.

Diante disso, os advogados dela entraram com um pedido para que Monique possa comparecer ao enterro do pai. A situação tem divido opiniões nas redes. Entretanto, o pedido é baseado no artigo 120 da Lei de Execuções Penais, que assegura esse direito em contextos análogos ao do caso.

Da Redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , .

Categoria(s): Nacional.

Avô materno do menino Henry Borel e pai de Monique Medeiros morre vítima da Covid, no Rio de Janeiro

O avô materno de Henry Borel, o funcionário civil da Aeronáutica Fernando José da Costa e Silva, morreu em decorrência da Covid-19, na noite deste domingo (11). A informação foi divulgada pelo Extra.

Fernando é pai de Monique Medeiros, mãe de Henry, ré por tortura e homicídio triplamente qualificado da criança, assim como o ex-namorado dela, médico e ex-vereador Dr. Jairinho.

O avô de Henry estava internado e já enfrentava outros problemas de saúde. Ele vivia com a mulher e o filho mais novo em Bangu, zona norte do Rio de Janeiro. Henry, de quatro anos, foi morto no dia 8 de março.

Em entrevista ao Fantástico, da TV Globo, Fernando afirmou que acreditava na inocência de Monique, mas que aguardaria o fim das investigações.

RELEMBRE O CASO
Monique e Dr. Jairinho foram presos no dia 8 de abril pela Polícia Civil do RJ, por suspeita de envolvimento na morte do menino. Eles viraram réus pelo caso e tiveram prisão preventiva decretada em 7 de maio.

Os investigadores do 16° Distrito Policial concluíram que Henry foi assassinado com emprego de tortura e sem chance de defesa.

O laudo de reconstituição da morte apontou 23 lesões por ação violenta e descartou a possibilidade de um acidente doméstico. Henry foi levado pela mãe e pelo padrasto Dr. Jairinho ao hospital Barra D’Or na madrugada de 8 de março e já chegou à unidade sem vida.

No início de julho, Monique afirmou em entrevista que se arrepende de ter morado com Jairinho e que provará sua inocência.

Com textos e informações do portal Diário do Nordeste

Tag(s): .

Categoria(s): Nacional.

Dr. Jairinho causa revolta ao se defender dizendo que conservava “saudável relação afetiva” com o menino Henry

Um caso difícil voltou à tona nesta sexta-feira (21). Isso porque Dr.Jairinho voltou a se manifestar e gerou discussões com o que disse.

Jairinho é acusado na morte do enteado, o menino Henry Borel, que tinha 4 anos, caso que chocou o Brasil nos últimos meses. Ao apresentar sua defesa ao Conselho de Ética da Câmara de Vereadores do Rio, que estava avaliando a cassação do mandato dele, Jairinho manteve a postura que já vinha tendo e chegou até a dizer que tinha uma “saudável relação afetiva” com Henry Borel, mesmo diante dos inúmeros indícios de agressão que vieram à tona. Mas não termina aí.

As declarações dele geraram revolta nas redes sociais, visto que ele está mantendo o discurso de que é inocente. Além disso, o advogado dele falou que o caso está sendo tratado como “um espetáculo” na mídia e afirmou:

“Com o devido respeito, mas a Câmara de Vereadores está, nitidamente, justificando os meios pelos fins, impulsionada pela tradicional voz das ruas, se diminuindo em seu papel, que é a defesa do Estado Democrático de Direito.”

Da Redação do Acontece na Bahia.

Tag(s): , .

Categoria(s): Nacional.