Áudios revelam que Tio que teria furtado carne com sobrinho em mercado pedia R$ 700 para ser ‘solto’

Mais um capítulo do crime bárbaro que aconteceu em Salvador, foi divulgado nesta semana. Após Tio e sobrinho terem sido achados mortos, com sinais de torturas dentro do porta-malas, após terem supostamente furtado em supermercado na última segunda-feira (29). A mãe do Jovem Ian, de 19 anos, divulgou um áudio, onde o tio, estaria pedindo dinheiro para pagar as carnes.

“Se ligue, rodei no Nordeste aqui, vê se desenrola R$ 700 reais para pagar as carnes que peguei aqui, ‘Beição’”

Segundo o Portal G1, em entrevista, a testemunha informou que os dois rapazes, tio e sobrinho, havia ido ao supermercado Atakadão Atakarejo, no início da tarde da última segunda-feira. Ela conta que em seguida, Bruno Barros, telefonou para uma amiga, pedindo dinheiro para “pagar as carnes”

“Bruno ligou para uma irmã de consideração pedindo dinheiro para pagar as carnes, porque eles estavam no mercado de Amaralina. Bruno estava com ele no mercado. Eles pediram pagamento das carnes, de R$ 700 reais, que os seguranças estavam pedindo. Na ligação, Bruno disse: ‘eles já estão me entregando, os seguranças do supermercado estão me entregando para os traficantes’” informou.

De acordo com o portal, Ian Barros e Bruno Barros foram encontrados sem vida na noite de segunda-feira (29). Eles foram torturados, levaram golpes de facadas e receberam muitos disparos de tiro.

Da Redação do Acontece na Bahia.

Tag(s): , , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional.

“Se você pudesse matar ele para mim, eu ia achar uma bênção”, diz Padre Robson em áudios divulgados após afirmar que estaria sofrendo tentativa de extorsão

O chocante caso do Padre Robson ganhou mais um capitulo que continua sendo destaque nesta quinta-feira (25). Dessa vez, áudios gravados foram divulgados e neles, o religioso chega a considerar uma “benção” a morte do diretor executivo de uma associação religiosa.

Nos áudios divulgados, gravados pelo próprio padre, ele conversa com o seu advogado sobre Anderson Reiner, diretor jurídico da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe). Nesta conversa, Padre Robson diz estar sendo cobrado um valor de R$ 4 milhões, relativos a uma promessa feita em uma porteira de fazenda.

Porém, de acordo com as investigações do caso, chamada de Operação Vendilhões, existe uma suspeita de desvio milionário da Afipe, que, segundo uma reportagem feita pela Rede Globo e exibida no Fantástico, esse dinheiro teria sido desviado das doações feitas pelos fies para a obra da única basílica no mundo dedicada ao Divino Pai Eterno, em Trindade (GO). O padre seria o comandante e era responsável por enviar esse dinheiro para empresas, para que elas usassem o dinheiro por ele, para que assim ele não precisasse prestar contas.

Nos áudios, o padre disse que chegou a falar com Reiner sobre outros trabalhos que poderia gerar ganhos e uma espécie de aposentadoria. Mas que o homem entendeu errado e agora estava tentando extorqui-lo por causa de promessas faladas:
“Querendo receber R$ 4 milhões por esse serviço de merda aqui”. “Ele só entendeu a parte que cabia”.

Padre Anderson ainda chega a ler um documento feito por Reiner, no qual Anderson fazia a exigência de valores. Leia um trecho do documento lido pelo padre:
“Descrição de valores, Anderson versus Afipe, em função do mandato de promessa compromisso verbal entre o padre Robson e eu […] R$ 3 milhões em aposentadoria privada prometida na porteira do Parque das Águas, fazenda em Abadiânia que era de propriedade da Afipe […]. R$ 140 mil de prêmio em tratamentos estéticos e outros relacionados à saúde pelo desgaste em função do mandato. […] R$ 4,1 milhões, pois foi me dito pelo padre Robson que se eu resolvesse a vida dele, ele resolveria a minha, executando o que me prometeu”

Em outros trechos do áudio, o padre afirma que afastaria Reiner do cargo e ainda faz um pedido chocante ao advogado: “se você pudesse matar ele para mim, eu ia achar uma bênção. Acaba com esse cara, bicho. Isso aí só vai atrapalhar nossa vida. Para mim, até hoje, foi um atraso. Com o que um cara desse escreve e assina uma extorsão, doutor?”

Em nota, o advogado do Padre, Luiz Medeiros, afirmou que atuou como advogado consultivo da associação e que foi um trabalho “sempre lícito e transparente”. Além disso, ele afirmou que os áudios foram montados por hackers que extorquiam o sacerdote.

Da Redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , .

Categoria(s): Destaque.