Um dia antes de ser morta, grávida de gêmeas postou nas redes sociais ensaio com tema natalino; As duas bebês foram salvas

O dia era especial, e o momento também na vida de Ana Carolina Alhende Aquino. Grávida de 9 meses de gêmeas, a mulher compartilhou nas redes sociais um ensaio de gestante com a temática de Natal, no dia 23 de dezembro, um dia antes de ser morta com um tiro na cabeça. A mulher foi vítima de uma execução, nessa sexta-feira (24), dia do Natal.

Os médicos conseguiram fazer uma cirurgia de urgência e salvar as bebês. O crime aconteceu no momento em que Ana Carolina estava dentro de um veículo em Ponta Porã (MS), cidade que fica na fronteira do Brasil com o Paraguai.

A Polícia Civil informou que a vítima estava no carro junto com o marido, que seria o alvo dos criminosos. Segundo o boletim de ocorrência, a vítima fatal foi atingida com um tiro na cabeça. Ana Carolina chegou a ser encaminhada com vida para o Hospital Regional de Ponta Porã. Foi realizada uma cirurgia de urgência para a retirada das bebês, que nasceram de 36 semanas, com saúde e fora de perigo.

Gabriel de Abreu, marido da vítima, foi atingido com um tiro de raspão em um dos braços, segue internado, mas sem risco de morrer. Testemunhas disseram que o casal estava em um veículo preto, na saída de um pesqueiro, quando os criminosos chegaram em outro veículo e efetuaram disparos de arma de fogo.

O veículo no qual os criminosos estavam parou ao lado do carro onde o casal estava, um dos pistoleiros desceu, tirou a arma e efetuou os disparos. Em um ato de reflexo, o marido de Ana Carolina, que estava ao volante, acelerou o veículo ao passo que o suspeito efetuou pelo menos 8 disparos em direção ao veículo.

Gabriel conseguiu dirigir até um dos batalhões do Corpo de Bombeiros, apesar de ferido, conforme as informações policiais. A Polícia Civil de Ponta Porã está investigando o caso e deve ouvir o marido da vítima assim que ele receber alta médica.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , , , , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional.

Autoridades indiciam 2 traficantes no caso da jovem que morreu após explosão de lança-perfume em festa clandestina

Uma notícia tem sido destaque nas redes sociais nesta quinta-feira (22). A Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou dois traficantes que são acusados da morte da estudante Ana Carolina Gonçalves de Oliveira Negreiros, de 20 anos, que morreu após a explosão de uma caixa cheia de frascos de lança-perfume. A tragédia aconteceu em um baile funk clandestino, realizado na Rocinha, Rio de Janeiro, no dia 30 de maio.

Responderão pelo crime de homicídio culposo (sem a intensão de matar), apologia e causar epidemia, os traficantes John Wallace da Silva Viana, conhecido como Johnny Bravo, e Leandro Pereira da Rocha, o Bambu, que segundo a polícia são chefes do tráfico de drogas na região. A justiça está analisando o pedido de prisão preventiva dos suspeitos.

A jovem Ana Carolina estava presente no baile Moscow, ambiente frequentado por traficantes que ostentavam armas e vendiam drogas aos participantes. Segundo o inquérito policial, as caixas de lança-perfume estariam expostas no momento em houve a explosão. No local, frequentadores faziam aglomerações e não obedeciam a determinação de usar máscaras. Quando o fogo se alastrou houve corre corre e na confusão muitas pessoas caíram e foram pisoteadas. Ana estava próximo da barraca onde o fogo se espalhou.

A jovem ainda chegou a ser encaminhada à UPA da Rocinha pouco antes das 7h, e nas imagens de câmeras de segurança da UPA, é possível ver a jovem em uma cadeira de rodas e desmaiando logo depois. Ana apresentava queimaduras de primeiro e segundo grau em 82% do corpo. Transferida no mesmo dia para o Hospital Municipal Pedro II, Ana veio a óbito dois dias depois em razão dos ferimentos.

“Durante as investigações, ficou provado por provas testemunhais e técnicas, como vídeos publicados em redes sociais, que os bailes funks só acontecem na Rocinha com a anuência e a organização de criminosos do alto escalão do grupo que domina a venda de drogas na comunidade. Essas festas são feitas justamente para atender aos interesses da facção, aumentando seus rendimentos com o comércio de maconha, cocaína, drogas sintéticas e ainda do lança-perfume, que ocasionou a explosão que lesionou e posteriormente matou a Ana Carolina”, contou a delegada Flávia Monteira.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , , , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional.