‘Situação de guerra’, diz brigadista que atuou em acidente entre ônibus e caminhão com 25 mortos na BA

O coordenador da Brigada Anjos Jacuipenses, Lucival Souza, que teve participação ativa no atendimento ao acidente envolvendo um ônibus e um caminhão, resultando em 25 mortes na BR-324, compartilhou sua experiência desafiadora, descrevendo a situação como um verdadeiro campo de batalha. A tragédia, considerada a maior registrada pelo grupo em seus 17 anos de atuação, ocorreu por volta das 22h30 no km 381 da rodovia, nas proximidades de São José do Jacuípe, na Bahia.

“Do total de vítimas, 22 estavam no ônibus, enquanto outras três estavam no caminhão, abrangendo um trágico espectro que incluía homens, mulheres, uma gestante, crianças e adolescentes”, relatou Lucival Souza. Ele detalhou a cena caótica, revelando que o ônibus ficou severamente danificado, resultando em uma complexa operação de resgate para retirar as vítimas, algumas das quais estavam sob os destroços.

O brigadista destacou a gravidade da situação, descrevendo-a como uma verdadeira guerra, enfatizando o desafio de lidar com 24 vítimas fatais em um espaço limitado e lamentando a tristeza de ter que cobrir os corpos no local do acidente. “Foi muito triste para a gente que atua no resgate, a gente sempre vai na intenção de pegar as pessoas machucadas, doentes, e levar para o hospital”, expressou.

Ele expressou sua comoção ao encontrar óbitos, especialmente considerando que eram pessoas inocentes, como gestantes, adolescentes e crianças, que estavam apenas desfrutando de um passeio. “Quando a gente chega no local e encontra óbito, a gente fica destruído. Principalmente por se tratar de pessoas do bem, né? Pessoas que estavam ali passeando, grávidas, adolescentes, crianças, pessoas do bem”, afirmou.

Lucival Souza enfatizou que essa foi a maior tragédia já enfrentada pela Brigada Anjos Jacuipenses em 17 anos e prestou homenagem às equipes envolvidas na remoção das vítimas. Por fim, ele expressou solidariedade aos familiares e amigos das vítimas, pedindo forças a Deus para lidar com essa dolorosa perda.

O acidente, que ocorreu em uma região próxima a Gavião, teve suas causas ainda não esclarecidas, enquanto a comunidade se mobiliza para prestar suporte aos sobreviventes feridos. A Prefeitura de Jacobina declarou três dias de luto oficial e está organizando um velório coletivo, buscando agilizar a liberação e transferência dos corpos para Jacobina.

Da redação do Acontece na Bahia