Síria registra ataques perto de Damasco e atentado em Homs

A Força Aérea síria bombardeou neste domingo (2) a periferia de Damasco, onde se concentram agora os combates contra grupos rebeldes, enquanto 15 civis morreram em um atentado na cidade de Homs (centro), segundo a agência oficial Sana.

Sana, que citou fontes anônimas, relatou 24 feridos, muitos deles em estado crítico, neste atentado cometido no bairro de Al-Hamra.

No sábado, 60 pessoas morreram na capital e seus arredores, onde são registrados violentos combates desde quinta-feira, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Também no sábado, vários morteiros disparados do lado sírio atingiram uma cidade que faz fronteira com a Turquia, perto de Reyhanli, anunciou neste domingo a agência de notícias turcas Anatólia.

Não foram confirmados disparos turcos em resposta a estes ataques.

Neste domingo, caças-bombardeiros realizaram novos ataques principalmente contra a cidade de Daraya, ao sudoeste de Damasco, informou o OSDH. Durante a manhã, reforços militares foram enviados para o local, segundo militantes citados pela ONG.

“Daraya estará segura nas próximas horas”, escreveu o jornal Al-Watan, próximo ao poder.

Damasco anuncia regularmente ter lançado “a fase final” da batalha, prometendo expulsar definitivamente os rebeldes, mas raramente isto tem acontecido no terreno, onde o exército tem dificuldades para recuperar o controle de muitas localidades.

“O exército sírio abriu desde quinta-feira as portas do inferno para aqueles que planejam se aproximar de Damasco ou lançar um ataque contra a capital”, acrescentou o jornal.

Segundo o Al-Watan, “centenas de terroristas foram mortos (…) o exército responde a todos os ataques terroristas lançados desde quinta-feira, alguns com o objetivo de cortar a estrada do aeroporto internacional de Damasco”. O regime chama de terroristas todos os opositores, que desde meados de março de 2011 contestam o regime do presidente Bashar al-Assad. A revolta, antes pacífica, militarizou-se com a repressão sangrenta.

O lançamento na quinta desta ofensiva contra os pomares nos arredores da capital, onde os rebeldes estabeleceram sua retaguarda, coincide com o corte da internet e do telefone em toda a Síria, que fez com que os militantes temessem o pior, a possível preparação pelo regime de um “massacre” em pleno apagão.

Sábado as comunicações foram restabelecidas.

Enquanto os rebeldes pedem armas à comunidade internacional, reticente a esta ideia, o New York Times afirmou que um corredor aéreo sobre o Iraque permitiria aos iraquianos enviar armamentos para o regime de Assad.

Os líderes iraquianos informariam aos iranianos, durante as inspeções aéreas, que os ajudariam a fazer a passagem das armas, relatou o jornal americano.

Os ministros das Relações Exteriores dos países da Otan devem se reunir na terça e quarta-feira em Bruxelas para discutir a implantação de mísseis Patriot na Turquia, perto da fronteira com a Síria.

Os aliados devem, sem surpresa, responder positivamente ao pedido de Ancara por proteção contra ataques aéreos.

Além disso, os ministros devem discutir a evolução do conflito sírio, enquanto Hillary Clinton, anunciou na quinta-feira que os Estados Unidos planejam levar mais apoio aos rebeldes.

A Otan, assim como a Turquia, tem enfatizado no caráter puramente “defensivo” da implantação dos Patriots.

Fonte: France Presse

Categoria(s): Internacional.

Comente: