Segundo suspeito, bispo de igreja na Bahia, é detido em relação à morte da cantora gospel Sara Mariano

Segundo suspeito, bispo de igreja na Bahia, é detido em relação à morte da cantora gospel Sara Mariano

O segundo suspeito associado à morte da cantora gospel Sara Mariano foi detido na noite de terça-feira (14) em São Paulo.

A informação foi confirmada nesta quarta-feira (15) pelo delegado Euvaldo Costa, responsável pela investigação. O indivíduo, inicialmente identificado como Bispo Zadoque, tem vínculos com igrejas evangélicas na região metropolitana de Salvador, e as circunstâncias específicas da prisão ainda não foram detalhadas pela polícia.

O primeiro suspeito detido foi o marido da cantora, Ederlan Santos Mariano, considerado o principal investigado no caso. Sua prisão ocorreu em 28 de outubro, quatro dias após o desaparecimento de Sara. Ederlan admitiu o crime, conforme afirmam os delegados responsáveis pelo caso, embora sua defesa refute tal confissão. As autoridades destacam que o crime está sendo investigado pela 25ª delegacia de Dias D’Ávila, na região metropolitana de Salvador.

Ao comparecer a uma audiência de custódia no fórum de Dias D’Ávila em 31 de outubro, Ederlan foi hostilizado e teve seu cabelo puxado por manifestantes. Desde então, ele está sob custódia e enfrenta acusações relacionadas à destruição de possíveis provas e obstrução das investigações.

O corpo de Sara Mariano foi encontrado parcialmente carbonizado, e a polícia aguarda laudos do Departamento de Polícia Técnica (DPT) para determinar a causa e a natureza de sua morte.

A cantora foi vista pela última vez em 24 de outubro, ao deixar a casa da família, e seu desaparecimento foi reportado por Ederlan, que afirmou que ela saiu para eventos religiosos cujos detalhes desconhecia. O corpo de Sara foi descoberto três dias após seu desaparecimento, em uma área de mata às margens da BA-093, na região de Dias D’Ávila.

O marido de Sara havia relatado um suposto evento gospel em igrejas do município no dia do desaparecimento, versão contestada por um pastor e amigos da vítima. A família de Sara também expressou dúvidas sobre as informações fornecidas por Ederlan. O corpo da cantora foi sepultado em 30 de outubro, em Salvador, com comoção de amigos e familiares.