Reviravolta: Família de Jovem picado por Naja era centro de organização criminosa

O caso do jovem estudante de veterinária que foi picado por uma naja ganhou novas informações. Agora, uma reviravolta marcou a história: a família de Pedro foi apontada como centro de uma associação criminosa que criava e vendia animais selvagens sem autorização.

O jovem estudante de veterinária, Pedro Henrique Santos Krambeck, entrou em coma após ser picado por uma cobra naja, muito rara no Brasil e extremamente venenosa. Instituições brasileiras fizeram grandes esforços para auxiliar a equipe médica, mas isso ainda não foi o suficiente. A família de Pedro precisou importar doses do soro antiofídico para salvar a vida dele. Diante da falta do soro, a família de Pedro decidiu falar com médicos dos Estados Unidos e importar novas unidades com urgência. Felizmente, o Pedro conseguiu se recuperar, mas as investigações para descobrir o translado da cobra continuaram.

Depois de muitas buscas e apurações, as autoridades concluíram o que já esperavam: o animal, que é comum nos continente Africano e no Asiático, foi oriundo de contrabando. Mas, além disso, eles descobriram envolvimento direto da família de Pedro na história. De acordo com a Justiça do Distrito Federal, Pedro, a mãe dele, o padastro e o amigo serão réus no caso da naja. Foi descoberto que diversos animais foram levados até a o apartamento da família durante os últimos anos. Vários deles, como as serpentes, eram alimentados e se reproduziam na própria residência. Ademais, parte da alimentação destes animais, que pode incluir outros animais, era armazenada no próprio freezer da família.Agora, eles terão que responder por associação criminosa, venda e criação de animais sem licença e maus-tratos contra animais.

Da Redação do Acontece na Bahia.

Categoria(s): Nacional.

Comente: