Quem foi Paulo Caruso, um dos maiores cartunistas do Brasil, que faleceu aos 73 anos

No último sábado, dia 4 de março de 2023, o Brasil perdeu um dos seus maiores cartunistas, Paulo Caruso. Ele tinha 73 anos e faleceu em São Paulo, onde estava internado há cerca de um mês para tratar um câncer. Seu legado é a arte e a elegância dos traços que deixou em seus trabalhos.

Nascido em São Paulo em 6 de dezembro de 1949, Paulo Caruso cresceu junto com o irmão Chico Caruso, que também se tornou um cartunista conhecido. A paixão pela arte começou cedo, quando os irmãos desenhavam histórias em quadrinhos e sequências ainda crianças. Eles foram criados pela avó materna, que guardou os primeiros desenhos dos gêmeos, ainda com 5 ou 6 anos de idade.

Caruso estudou arquitetura na USP e já era conhecido nas redações de jornais antes mesmo de se tornar hippie. Sua carreira na arte do cartum começou em 1968, quando passou a ilustrar o jornal Folha da Tarde. Com o Ato Institucional nº 5, a censura se tornou mais forte e as charges de Caruso começaram a ser proibidas. Ele então passou a fazer ilustrações para o jornal, o que se tornou sua marca registrada.

Nos anos 1970, Paulo Caruso colaborou com o jornal Pasquim, um dos mais importantes da época, que criticava o regime militar e fazia sátiras políticas. Nas décadas seguintes, seu trabalho foi publicado nas revistas Isto É, Veja e Época, entre outras. Seu talento o levou até a TV Cultura, onde participou do programa “Roda Viva” e chegou a roubar uma câmera só para ele.

Colegas de profissão elogiam a elegância dos traços de Paulo Caruso, que soube exagerar nas caricaturas sem perder a personalidade dos retratados. O desenhista Mauricio de Sousa afirma que seus desenhos nunca vão nos deixar, enquanto o chargista Renato Aroeira diz que ele continua vivo através de sua obra. O cartunista Jaguar afirma que Paulo Caruso foi um dos grandes chargistas que o Brasil já teve e que sua morte é uma perda para a profissão.

O presidente Lula também prestou homenagem ao cartunista em uma rede social, afirmando que Paulo Caruso foi um grande desenhista e cronista político que contribuiu com seu talento na luta pela democracia e pela liberdade de expressão.

Para Chico Caruso, o irmão era mais do que um companheiro de trabalho, era seu maestro e sua outra metade. Ele declara que a morte de Paulo Caruso deixa um vazio que nunca poderá ser preenchido.

Paulo Caruso morreu, mas seu legado continuará vivo através de sua arte, que retratava a política, a economia, o futebol e a música com um olhar crítico e bem-humorado. Ele será sempre lembrado como um dos grandes cartunistas do Brasil e um mestre da elegância dos traços.