Professora perde o pai, mãe e avós em menos de 10 dias: “Voltar para casa com um pedaço de papel dizendo que nenhum deles voltará para casa”

Uma triste notícia tem sido destaque nas redes sociais neste sábado (27). A professora de Santa Isabel (SP), Adriana Miyuki Kawaguti Saviani, 40 anos, perdeu para a covid 19 o pai, a mãe e os avós em apenas nove dias. 

Adriana e as irmãs Sandra Satie Kawaguti e Cristiane Naomi Kawaguti têm conversado muito procurando entender o que aconteceu com os familiares. “É uma avalanche de emoções, não sabemos dizer ao certo o que sentimos. Conversamos bastante por vídeo chamada, pois minhas irmãs não moram na cidade, uma está em São Paulo e a outra em Vila Velha (ES). Cada uma vive a sua própria dor e lida da maneira que pode”, afirma Adriana. 

São sentimentos difíceis de se lidar segundo as irmãs. “O luto é uma sensação estranha, parecem ondas de lágrimas que vão e vêm. Então alguns dias são bons e outros não, alguns dias são de revolta e outros de saudades boas”, comenta. 

O patriarca, Mitio Kawaguti, 68 anos, professor de educação física, trabalhou por 35 anos na rede estadual como também na prefeitura de Santa Isabel. “Ele gostava de atividades físicas e sempre incentivou o esporte na cidade e nas escolas.” 

No dia 10 de março, tanto a avó de Adriana, Titose Kawaguti, 95 anos, quanto o pai foram os primeiros a precisar de internação. Dona Sonia Kawaguti, 66 anos, mãe de Adriana, foi a última a falecer no dia 19 de março. 

“A pior coisa é a não despedida, não poder olhar pela última vez o rosto de cada um deles e voltar para casa com um pedaço de papel dizendo que nenhum deles voltará para casa. Vivemos um dia de cada vez, lembrando das coisas boas que cada um deles fizeram por nós e as várias mensagens de solidariedade, desde a internação do meu pai, dos meus avós e minha mãe.” 

Segundo Adriana, os pais e os avós moravam na mesma casa e não se sabe ao certo que se contaminou primeiro e como. A avó da professora havia sido internada por conta de uma anemia antes da infecção por covid 19. O pai de Adriana era quem fazia compras e os pagamentos em bancos. 

“No primeiro sintoma meu pai foi à farmácia e testou positivo, minha mãe foi em seguida e testou negativo. Já meus avós tiveram amostra colhida em casa e testaram positivo, mas não apresentavam sintomas”, afirmou Adriana. No início de março os testes foram realizados. 

Com a piora no estado de saúde, tanto o pai quanto a avó de Adriana precisaram de internação no dia 10 de março. Segundo Adriana, o pai estava com oxigenação baixa, pressão baixa e dificuldade para respirar enquanto a avó tinha dificuldade em engolir e respirar. 

Segundo informações, a avó de Adriana faleceu no dia 11 de março e o pai no dia 18. Dona Sonia Kawaguti, mãe de Adriana, depois de receber atendimento em UPA no dia 12 de março retornou para casa onde passou a ser monitorada. Ela voltou a ser internada no dia 14 do mesmo mês junto com o avô de Adriana que recebeu atendimento do SAMU na noite do mesmo dia. No momento da internação, tanto a mãe de Adriana quanto o avô apresentavam saturação baixa de oxigênio entre 90 e 80. 

O avô de Adriana faleceu no dia 17 de março. “Minha mãe no dia 15 foi removida da UPA para a Santa Casa, pois apresentava um quadro menos grave. E na manhã de seu falecimento, minha mãe foi removida para a UPA novamente, pois seu quadro havia se agravado, precisando também ficar intubada.” A mãe de Adriana faleceu no dia 19 de março. 

A professora Adriana lembra que mesmo com as campanhas de vacinação na cidade e sendo atendidos por profissionais da UBS de forma domiciliar, os avós não tomaram a vacina.Segundo  a prefeitura de Santa Isabel “a equipe de vacinação domiciliar chegou a ir no domicílio da família acima em 03/03/2021, porém receberam a informação de que o Sr. Mitio Kawaguti havia testado positivo para Covid 19. Como tinha contato muito próximo com os pais, a conduta foi não imunizar os pais naquele momento, pois poderiam já estar infectados pelo Sars-Cov2 devido ao contato próximo com filho, devendo, então, aguardar pelo menos 15 dias para avaliação e vacinação.” 

De acordo com a prefeitura, “a conduta foi adotada para não confundir sinais e sintomas da doença com prováveis eventos adversos da vacina, ainda mais por ser um produto novo no mercado, sendo o uso autorizado emergencialmente”. 

Adriana traz na memória as lembranças do pai que tinha uma ótima relação com os alunos. “Como uma figura paterna. Lembro do meu pai com seu carro levando os alunos para jogos, sem esperar por uma ajuda financeira de quem quer que fosse e, com o tempo, comprou uma kombi para, dessa forma, levar seu time completo de vôlei masculino e feminino para os jogos escolares ou regionais. Nunca cobrou pelo combustível que gastava ou pedágio que pagava.”  

Lembra com orgulho do pai que foi trabalhar no Japão e nunca abandonou a esposa e as filhas. “Quando muitos de seus amigos diziam que era melhor ir para lá, trabalhar e voltar após alguns anos. Meu pai era a tranquilidade, calma e paciência dentro de casa. Nos incentivou os estudos e o maior ensinamento que ele e minha mãe também deixaram para as minhas irmãs e eu foi: nunca desistir, não importava o quão difícil fosse ou o quão ruim fosse a situação. Eles sempre nos diziam que desistir não era a solução mais fácil, mas sim uma frustração.” 

Mitio e Sonia Kawaguti deixaram além das filhas um neto de 4 anos e três genros. 

Da Redação do Acontece na Bahia 

Categoria(s): Destaque, Nacional.

Comente: