Prefeitura municipal de Baixa Grande mostra desorganização e Baixa Grande fica de fora da decretação de estado de emergência pela seca. Erro prejudica cerca de 10 mil pessoas.

 

Foto Divulgação.

O gestor e a equipe de governo do município de Baixa Grande, distante 250 km da capital, parecem não se importar nenhum pouco com a situação do homem do campo que está sofrendo com a seca.  O governo do Estado da Bahia decretou no ultimo dia  8 de março estado de emergência por conta da seca em 214 municípios da Bahia, mas Baixa Grande  ironicamente ficou de fora.  O que impede do município ter acesso a benefícios para ajudar ao homem do campo.

Este grave erro do prefeito Pedro Lima Neto (PT), demonstra o que a população vem comentando nas ruas e nos bastidores políticos de Baixa Grande, que o governo está desorganizado e não existem  técnicos experientes  no governo, já que a maioria dos secretários já exerceram cargos eletivos ou então disputaram eleições  ou foram indicados por políticos. No meio político se sabe que uma gestão sem pessoas formadas na área técnica de um setor vai sempre improvisar e isso não faz bem a uma administração.  O fato é que  com isso os agricultores podem ficar sem receber cestas básicas, carros pipas e até ração para  manter o gado que são doados pela iniciativa privada e pelo governo estadual. A Fama de desorganização do governo do PT de Baixa Grande já está repercurindo até na Assembléia Legislativa da Bahia, um político de Baixa Grande em visita a alguns deputados semana passada ouviu eles dizerem que saberm que a coisa não tá boa em Baixa Grande.

Consultada a oposição diz que dá um prazo de uma semana para que o erro seja sanado e caso o prefeito não apresente os documentos que possibilite decretar estado de emergência em Baixa Grande, vão denunciar a gestão municipal ao Ministério Público por omissão.

 

Da Redação.

Categoria(s): Regional.

Comente: