População do Malauí é obrigada a consumir ratos para evitar fome durante pandemia

Em um dos países mais pobres do mundo, Malauí, no Sul da África, quase 18 milhões dos habitantes vivem com menos de U$$ 1 por dia.

Nesse contexto, para evitar a fome, os cidadãos foram obrigados a tornar os ratos como um ingrediente essencial de sua alimentação. Pelo balanço da universidade dos americana Johns Hopkins, há mais de 5.400 casos e 175 mortos em decorrência da Covid-19 no país.

O governo do país havia criado campanha de subsídios para a população, no entanto isso não ocorreu e cerca de 1.500 empregos por dia, em média, e calculou que o número acumulado pode alcançar 680 mil até o fim do ano.

Os cidadãos então começaram a consumir ratos como uma das refeições diárias. “Caçamos os ratos para viver. Nós usamos como complemento da dieta diária e vendemos aos viajantes para complementar a renda”, disse um dos moradores.

Por fim, a população aguarda que a pandemia passe e eles possam a retornar comprar sua carne em estabelecimentos das cidades do país.

Categoria(s): Internacional.

Comente: