Policial militar mata a tiros um cachorro vira-lata nas ruas de BH; Dono está despedaçado

Uma notícia está sendo destaque nesta sexta-feira (25). Um cachorro, da raça vira-lata, foi morto com dois tiros por um policial militar na manhã de ontem (23), em Belo Horizonte.

Alberto Luiz, de 55 anos, dono de Yunkee, contou que foi ao supermercado com seu cachorro e o deixou preso do lado de fora do estabelecimento, mas que ele teria conseguido fugir. Ao perceber, foi atrás, o seguindo por cerca de 20 anos, quando encontrou o policial, no sentido contrário, também acompanhado de um cachorro.

“Os dois cachorros se estranharam, rosnaram um para o outro. Eu estava a uns 40 metros de distância quando o rapaz sacou a arma e deu um tiro no meu cachorro. Ele caiu no chão, e o rapaz ainda deu outro tiro. Eu falei: ‘Você é louco, você matou meu cachorro’. Ele me chamou de irresponsável, disse que ia chamar a viatura e que eu tinha sorte de ele não dar um tiro na minha cara”, contou.

Já o policial disse que estava voltando de um pet shop com a sua cadela da raça american bully, quando se deparou com o Yankee [cachorrinho vira-lata] que teria investido de “maneira agressiva” contra ele e sua cadela. Ele completou dizendo que gritou pro animal se afastar mas que não teve sucesso, por isso atirou, como o animal supostamente teria continuado a lhe atacar, ele atirou novamente.

Porém, uma moradora da região que estava passando na hora da confusão afirmou que Yunkee não atacou ninguém. “É normal um cachorro estranhar o outro, mas ele não atacou nem nada. O policial deu um tiro e, com o cachorro já no chão, deu mais um. Isso tudo à luz do dia, tinha criança passando na rua”.

Yunkee tinha 11 anos e foi adotado pela família de Alberto quando ele tinha 3 meses. “Ele era um membro da família. Meu filho está revoltado, isso mexe muito com o emocional do adolescente. Eu estou destruído. Minha preocupação agora é resolver isso, ficar com o meu filho, acalmar o coração dele, porque nada vai trazer meu cachorro de volta. Era o meu único cachorro, nunca tivemos animal antes nem sei se vou ter coragem de ter outro depois disso”, lamentou.

De acordo com o boletim, o policial foi apontado como autor por dano, e Alberto, também como autor, por omissão de cautela na guarda de animais.

 

 

Da Redação do Acontece na Bahia

Categoria(s): Destaque.

Comente: