Pastor que batizou Bolsonaro no Rio Jordão é preso por suspeita de corrupção

O pastor Everaldo Pereira, presidente nacional do PSC, que batizou o presidente Bolsonaro nas águas do Rio Jordão, no nordeste de Israel, foi preso durante a operação ‘Tris In Idem’, na manhã desta sexta-feira (28).

Nesse contexto, a ação faz parte de investigação de corrupção em contratos de saúde pública no Rio de Janeiro e culminou no afastamento do governador Wilson Witzel do cargo.

Além disso,  o pastor Everaldo, agora preso como um dos comandantes do esquema de corrupção, a Polícia Federal cumpre mandado de prisão contra o ex-secretário de Desenvolvimento Econômico de Wilson Witzel, Lucas Tristão.

Somado a isso, entre os alvos das buscas da ‘Tris in Idem’ estão a primeira-dama Helena Witzel e André Ceciliano, presidente na Assembleia Legislativa do Rio.

De acordo com a Polícia Federal, agentes estiveram na sede administrativa na Casa na rua da Alfandega, a poucos metros do Palácio Tiradentes, e também na casa do parlamentar na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio.

Por fim, A PF também cumpre mandados no Palácio Laranjeiras, no Palácio Guanabara e na residência do vice-governador. O pastor Everaldo Pereira, sob o comando do PSC, já foi candidato à Presidência da República em 2014.

Categoria(s): Politica.

Comente: