Operação de busca por helicóptero no litoral de SP completa uma semana

Após sete dias de intensas buscas, o helicóptero desaparecido desde o último dia 31 de dezembro, no litoral norte de São Paulo, ainda não foi localizado. A aeronave partiu da capital paulista no último dia do ano com destino a Ilhabela, porém não conseguiu chegar ao seu destino previsto.

A bordo do helicóptero estavam o piloto Cassiano Tete Teodoro, Luciana Rodzewics, de 45 anos, sua filha Letícia Ayumi Rodzewics Sakumoto, de 20 anos, e Rafael Torres, um amigo da família que fez o convite para o passeio. O último contato com a torre de controle ocorreu às 15h10 do último domingo (31), quando sobrevoavam Caraguatatuba.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo relatou que a Polícia Militar conduziu 35 horas de voo em duas aeronaves designadas para apoiar as buscas. A Polícia Civil, por sua vez, utiliza drones para colaborar nos trabalhos.

A coordenação das tentativas de localização do helicóptero está a cargo da Força Aérea Brasileira (FAB), que emprega uma aeronave SC-105 Amazonas. Equipado com um radar capaz de procurar sobre terra ou mar, com alcance de até 360 quilômetros, o avião é crucial para as operações.

Um sistema de comunicação via satélite permite o contato com outras aeronaves ou centros de coordenação de salvamento, mesmo em voos a baixa altitude.

Adicionalmente, a aeronave conta com um sistema eletro-óptico de busca por imagem e por espectro infravermelho, possibilitando a detecção de objetos, como uma aeronave encoberta pela vegetação.

Da redação do Acontece na Bahia

Foto: Frame/FAB