‘Nunca aceitou sentar comigo para ver a realidade’, comenta Mandetta sobre Bolsonaro

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, lança hoje (25) o livro “Um Paciente Chamado Brasil”, no qual narra os 90 dias que esteve à frente da pasta.

A obra, escrita pelo repórter Wálter Nunes, relata que em um dos primeiros encontros do governo sobre a pandemia os ministro Walter Braga Netto, da Casa Civil, e Sérgio Moro, então à frente da Justiça, demonstraram espanto, enquanto o presidente Jair Bolsonaro se manteve alheio às discussões.

“Ele [Bolsonaro] nunca aceitou sentar comigo para ver a realidade que o seu governo estava para enfrentar”, diz o ex-ministro. Segundo o livro, o presidente ignorou alertas da pasta.

Na época, as projeções da equipe da Saúde apontavam de 30 mil mortes a até 180 mil caso não fossem adotadas medidas de isolamento. Hoje o país atinge 4,6 milhões de casos da Covid, com quase 140 mil óbitos.

Em outros trechos, o livro busca ainda mostrar como Bolsonaro passou a contrapor a Saúde em discursos contra o isolamento e a favor da cloroquina, mesmo sem eficácia comprovada contra a Covid-19.

Em uma das ocasiões, relata, o presidente sugeriu que fossem feitas mudanças na bula do remédio por decreto, para ampliar a oferta.

A medida foi contestada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Categoria(s): Politica.

Comente: