Na primeira audiência do caso Henry, juíza sobe o tom e interrompe discussão: “Isso aqui não vai virar circo”

Nesta quarta-feira (6), o caso do menino Henry Voltou à tona. Na primeira audiência do caso, a juíza precisou elevar a voz e avisou: “Isso aqui não vai virar circo!”

O caso do menino Henry Borel gerou uma comoção nacional depois que os detalhes foram revelados. Agora, meses após a morte do garoto, a primeira audiência do caso aconteceu no Rio de Janeiro. Os acusados na história são o Dr.Jairinho, padrasto de Henry que atuava como vereador e é formado em medicina, e a mãe do menino Monique Medeiros.  Já nessa primeira sessão, um promotor teria discutido com o advogado de defesa de Monique, fazendo a juíza subir o tom e dizer:

“Aqui não é CPI. Aqui a gente está para ouvir a testemunha. Isso aqui não vai virar circo”Mas não termina aí.

Para membros da imprensa, Leniel Borel afirmou que não gostaria de estar frente a frente com a ex-mulher, Monique, novamente. Ele afirmou que espera que ela e Jairinho tenham uma punição “proporcional às brutalidades cometidas contra o filho”. Além disso, o delegado que ficou responsável pela investigação do caso confirmou que o menino realmente chegou morto ao hospital. O delegado disse:

“Ficou expressamente demonstrado pela equipe médica e pelos laudos periciais que, embora e tenha sido submetido a manobras de ressuscitação por bastante tempo, em nenhum momento ele apresentou frequência cardíaca. Ele já chegou morto”

De acordo com dados do processo e depoimentos, Jairinho é acusado de agredir o garoto com frequência. Já Monique teria consciência ou forte suspeita disso, mas não tomou nenhuma atitude assertiva para intervir.

Da Redação do Acontece na Bahia.

Tag(s): .

Categoria(s): Nacional.

Comente: