Mulher suspeita de matar o pai carbonizado diz que o crime foi inspirado em um filme

Cláudia Campos Veiga, suspeita de matar o pai carbonizado no interior de São Paulo, foi presa no Espirito Santo. Em depoimento, Cláudia contou que tudo foi inspirado em um filme e que fez isso porque foi abusada na adolescência pelo pai.

O filme, segundo ela, que serviu de inspiração, foi o “Doce Vingança”, no qual a personagem vítima de estupro mata os abusadores.

Aparecido Omar Veiga, pai de Cláudia, morreu em 09 de julho, na cidade de Embu-Guaçu. Dias antes de cometer o crime, a suspeita ligou para o irmão e contou sobre o filme. Também segundo um ex-namorado de Cláudia, durante 30 anos ela alimentou o desejo de se vingar do pai.

Desde que o crime aconteceu, a mulher era procurada como a principal suspeita. Aparecido Omar vivia em uma casa reabilitação para moradores de ruas há cinco anos e sempre era visitado pelos filhos. Em uma dessas visitas, Cláudia, que saía de Manaus, onde morava, para visitar o pai em São Paulo, pediu para fazer uma trilha com ele. No caminho, ela ateou fogo nele.

Um funcionário da casa de reabilitação estranhou a demora dos dois e foi atrás. No caminho, viu as chamas e pediu ajuda a outros voluntários. A mulher não estava mais lá.

Segundo as investigações, o homem foi amarrado e queimado vivo, já que não apresentava sinais de violência. A suspeita foi presa no último sábado após a divulgação da foto dela e moradores de Praia Grande reconhece-la.

 

Da Redação  do Acontece na Bahia

Categoria(s): Destaque.

Comente: