Mulher sem um braço enfrenta preconceito, se torna cabeleireira e sonha ter seu próprio salão

A Roberta dos Santos, de 41 anos, é daquelas mulheres que não desistem tão fácil dos obstáculos que a gente tem na vida. Ela é do Rio de Janeiro (RJ), nasceu sem o braço direito e é cega do olho direito. Só que a sua deficiência nunca a limitou de seguir o sonho de ser cabeleireira.

Ela enfrenta muito preconceito devido sua condição física, mas garante que isso não a fará desistir do sonho de ter o próprio salão.

A história da Roberta com a profissão começou há 3 anos, quando ela queria alguém para escovar seu cabelo e não encontrou.

“Queria escovar para sair com as minhas amigas, mas elas não queriam fazer a escova em mim, então comecei sozinha e quando viram que eu fazia bem, começaram a me pedir”, contou.

Depois disso, Roberta foi comprando aos poucos as suas ferramentas e improvisou um salão na garagem de casa, no bairro Olaria, no Rio.

Bruna frequenta o salão da Roberta desde o começo e sempre teve vontade de fazer algo para ajudá-la.

“Sempre quis fazer algo por ela, pois o seu grande referencial, além da força de vontade, é a superação de ser cabeleireira de ótima qualidade, tendo apenas um braço”, conta Bruna.

Bruna ainda nos falou que a condição física da Roberta nunca a limitou. O fato de não ter um braço não foi obstáculo para ela perder a força de vontade para realizar seus sonhos.

O sonho da Roberta é construir seu salão e fazer novos cursos para provar a si mesma e as pessoas de que é uma grande profissional.

Categoria(s): Social.

Comente: