Morre o chefe da maior milícia do RJ, o Ecko, durante uma ação policial

Uma notícia está sendo destaque neste sábado (12). O narcomiliciano Wellington da Silva Braga, conhecido como Ecko, morreu hoje após ser baleado durante uma ação da Polícia Civil. Ele era o chefe da maior milícia do Rio de Janeiro e o criminoso mais procurado do estado.

Ecko foi pego nesta manhã, enquanto visitava a mulher e os filhos. Ele foi levado ao hospital, mas chegou sem vida, com dois tiros na altura do coração.

A quadrilha do narcomiliciano, o Bonde do Ecko, chefiava paramilitares para extorquir dinheiro dos moradores e dos comerciantes da Zona Oeste e algumas partes da Baixada Fluminense, com a finalidade de oferecer pretensa segurança. Além disso, explorava diversas atividades como o sinal clandestino de TV e internet, e tinham o monopólio da venda de agua, gás e transporte de vans.

Ecko passou a ser o homem mais procurado do RJ desde que assumiu os negócios do irmão, Carlinhos Três Pontes, morto em um confronto com a Polícia Civil, em 2017.

A “Liga da Justiça” como era considerada, teve o seu auge em 2007, quando houve assassinatos e controle econômico. Os chefes na época eram todos ex-policiais. Ecko, por sua vez, que assumiu em 2017, nunca foi policial.

A ação policial foi elogiada pelo governador do estado, Claúdio Castro (PL).
“Hoje é um dia importante. Demos um golpe duro nas facções criminosas do Estado. Parabéns, Polícia Civil, pela operação cirúrgica e sigilosa que capturou o Ecko, miliciano mais procurado do Brasil”, escreveu.

 

Da Redação do Acontece na Bahia

Categoria(s): Destaque.

Comente: