Marcelinho Carioca diz ter sido coagido a fazer vídeo após ter arma apontada para cabeça

O ex-jogador Marcelinho Carioca revelou nesta segunda-feira (18/12) que, após ser vítima de sequestro, o vídeo no qual afirma manter um relacionamento com uma mulher casada é falso. Segundo Marcelinho, ele foi coagido a gravar o vídeo com uma arma apontada para sua cabeça. Na sede da Delegacia Antissequestro (DAS), em São Paulo, o ex-jogador afirmou que foi forçado a fazer o vídeo sob ameaça de um revólver.

O vídeo, que circulou nas redes sociais, mostrava Marcelinho com sinais de agressão, afirmando ter sido sequestrado devido a um envolvimento com uma mulher casada. Uma mulher ao seu lado corroborava a informação. Marcelinho negou qualquer participação da mulher do vídeo, esclarecendo que são amigos há três anos e mantêm uma amizade também com o marido dela, com quem a polícia inicialmente suspeitava que ela estivesse envolvida no crime.

Em uma coletiva de imprensa na sede do DAS, Marcelinho relatou que compareceu ao show Tardezinha, de Thiaguinho, no sábado (16/12) na Arena Corinthians, em São Paulo. Após o evento, ao entregar ingressos para a amiga em Itaquaquecetuba, foi abordado por três indivíduos, agredido, levado para dentro de um carro e teve o rosto coberto com um capuz. Marcelinho ficou em cativeiro até familiares pagarem cerca de R$ 60 mil em resgate via Pix.

A Polícia Militar recebeu uma denúncia anônima sobre um casal mantido como refém em Itaquaquecetuba. Os policiais, que já patrulhavam a região após encontrar o carro do ex-atleta, prenderam cinco pessoas até o momento. O delegado-geral da Polícia Civil, Arthur Dian, estima que entre seis e oito pessoas estavam envolvidas no cativeiro.

Da redação do Acontece na Bahia