Lava Jato: ministro Gilmar Mendes diz que a força tarefa prendeu Lula, apoiou a eleição de Bolsonaro e fez parte do governo;

O ministro  Gilmar Mendes do Supremo Tribunal Federal, em entrevista a  BBC News Brasil, nesta segunda-feira (15), afirmou que a Lava Jato “apoiou a eleição de Bolsonaro”, “’tentou interferir no resultado eleitoral e agiu para perturbar o país”  durante o mandato do ex-presidente Michel Temer.

O magistrado afirmou ainda que o ex-juiz Sergio Moro não teve atitudes condizentes com o que se espera  da relação entre juiz e Ministério Público na investigação  criminal. As falas de Gilmar Mendes  surgem às vésperas do ministro liberar para julgamento à ação em que o ex-presidente Lula pede a anulação da sua condenação no caso do Tríplex do Guarujá. O recurso interpelado pela defesa de Lula teve o julgamento interrompido por um pedido de vista do próprio  Gilmar Mendes no final de 2018, mas segundo o ministro neste semestre o caso será liberado para votação .

A defesa de Lula coloca em xeque a imparcialidade do então juiz Sérgio Moro pelo fato do juiz ter aceitado ser ministro da Justiça do governo Bolsonaro tempos depois. As condenações do juiz Sérgio Moro  foram  confirmadas pelo Tribunal Regional Federal(TRF) da 4º região e pelo Superior Tribunal de Justiça(STJ) no caso do Tríplex do Guarujá. Questionado sobre as repercussões de uma possível anulação de sentença condenatória em um efeito cascata  sobre as outras condenações, o ministro afirmou que cada caso é um caso.

O ministro falou, ainda na entrevista, sobre indícios de “vícios” nos acordos de delação premiada, falou sobre a pandemia. Apesar das críticas, ele afirmou que não seria bom para o Brasil um processo de impeachment contra o presidente Bolsonaro  no momento atual em que estamos.

Da redação do Acontece na Bahia

Tag(s): , , .

Categoria(s): Destaque, Nacional, Social.

Comente: