Justiça de Angola fecha mais quatro templos da Igreja Universal no país

A justiça de Angola fechou mais quatro templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), acusada de fraude e de atividades criminosas no país africano. Segundo a agência Lusa, de Portugal, todos os templos serão encerrados “de forma gradual”.

Os quatro templos fechados são os de Kilamba, Estalagem, Km 30 e Samba. Em declaração à Lusa, a Universal se disse “surpresa”, e afirmou que os agentes policiais não estavam “munidos de qualquer mandado ou documentação de suporte” quando fecharam os templos.

Em agosto, outros sete templos da Universal foram apreendidos no país. No último ano, quase 300 bispos angolanos da IURD se afastaram da liderança brasileira com denúncias de práticas contrárias à “realidade de Angola e da África”. Eles também acusaram a igreja de sonegação fiscal.

“Por despacho do Ministério Público, todos os templos da IURD em território nacional estão apreendidos e serão fechados, mas o processo de fechamento está sendo feito de forma gradual”, indicou uma fonte policial à agência de notícias portuguesa Lusa. Os templos fechados foram os de Kilamba, Estalagem, Km 30 e Samba. Somente na capital, Luanda, há 211 templos da IURD.

Em comunicado, a igreja se disse surpresa com a chegada da polícia aos templos, apesar de os agentes não estarem “munidos de qualquer mandato ou documentação de suporte” ao fechamento. A IURD alegou que a polícia agiu “de forma truculenta e excessiva, cerceando os membros e fiéis que, na ocasião, estavam exercendo seu direito de liberdade de culto” e destacou que não havia qualquer impedimento legal ou mandato judicial que impedisse o culto naqueles templos.

A IURD está envolvida em várias polêmicas em Angola, desde que um grupo de mais de 300 pastores dissidentes se afastou da direção brasileira, em novembro do ano passado. As tensões se agravaram em junho, com a tomada da maioria dos templos pela ala reformista, que constituiu a Comissão de Reforma em Angola.

Categoria(s): Internacional.

Comente: