Jovem vítima de abuso é humilhada por advogado durante audiência: “Trabalhava num café, era uma desconhecida com aluguel atrasado”

O Brasil está diante de um fato inédito em toda a história da Justiça país. Nesta terça-feira, dia 3, a notícia de que uma sentença de “estupro culposo” foi aceita pelo Ministério Público causou revolta. Além disso, a jovem vítima do abuso foi humilhada pelo advogado do acusado durante a audiência. Mas o que aconteceu?

A jovem promotora de eventos Mari Ferrer ganhou grande notoriedade depois que denunciou um estupro que teria sido cometido pelo empresário André de Camargo Aranha. Então, no seu depoimento ela afirmou que foi dopada e abusada durante uma festa que aconteceu há 2 anos em Florianópolis. Contudo, a Justiça inocentou Aranha e alegou “estupro culposo”, admitindo que o acusado “não tinha a intenção de estuprar”. Tal sentença é inédita na história da Justiça brasileira e está gerando enorme revolta nas redes. Ademais, para piorar a situação, Mariana foi humilhada durante a audiência.

Humilhação

De acordo com informações do The Intercept Brasil, o advogado de defesa de Aranha, Cláudio Gastão da Rosa Filho, mostrou fotos normais das redes sociais de Mariana durante a sessão com a intenção de relacionar supostas poses sensuais com o caso. É possível ver Cláudio criando uma situação vexatória e humilhando Mariana. Em dado momento, ele mostra uma foto de Mariana e ela retruca:

“Muito bonita por sinal o senhor disse, né? Cometendo assédio moral contra mim. O senhor tem idade para ser meu pai, tem que se ater aos fatos.”

Então, depois disso Cláudio responde e começa a agir com uma postura incisiva e sem nenhum decoro:

“[Parte inaudível] uma filha do teu nível, Graças a Deus! E também peço a Deus que meu filho não encontre uma mulher que nem você. E não dá pra dar teu showzinho. Teu showzinho você vai dar lá no Instagram depois pra ganhar mais seguidores. Tu vive disso, Mariana. Vamos ser sinceros, fala a verdade. Tu trabalhava num café, perdeu o emprego, estava com aluguel atrasado há 7 meses, era uma desconhecida. Vive disso. Isso é seu ganha-pão né, Mariana? A desgraça dos outros?” Em seguida, ele continua a mostrar fotos de Mariana tiradas antes do caso e sem qualquer correlação, usando a mesma linha argumentativa até que a jovem começa a chorar e Cláudio diz:  “Não adianta vir com esse teu choro dissimulado, falso, e com essas lágrimas de crocodilo.”

Por fim, Mariana pede respeito e diz que nem acusados de crimes hediondos são tratados como ela estava sendo tratada. Contudo, não acontece nenhuma intervenção expressiva por parte dos outros membros da audiência e nem do juiz. Até o momento o réu segue inocentado pela Justiça por “falta de provas contundentes e pelo princípio da dúvida”. A história já mobilizou milhares de pessoas nas redes sociais que criaram o movimento “Não existe Estupro Culposo!”, dando sequência às manifestações do caso que começou com a tag “Justiça por Mari Ferrer”.

Da Redação do Acontece na Bahia.

 

Categoria(s): Nacional.

Comente: