Ivete busca há sete anos identificar responsável por postagem falsa sobre seu filho no Instagram.

Ivete busca há sete anos identificar responsável por postagem falsa sobre seu filho no Instagram.

Há mais de sete anos, Ivete Sangalo trava uma batalha judicial com o Facebook em busca do responsável por uma postagem falsa envolvendo sua família.

A cantora entrou com a ação em abril de 2016, após se deparar com uma notícia estranha e falsa que a deixou chocada, revoltada e emocionalmente abalada.

O perfil no Instagram disseminou a informação falsa de que seu filho teria sido atropelado por um empresário embriagado, usando até uma montagem de uma revista famosa para embasar a postagem mentirosa. O post questionava a conduta de Ivete, sugerindo que ela continuaria incentivando o consumo de álcool.

Outras publicações do mesmo perfil na época insinuaram que Ivete seria responsável pela tragédia, relacionando-a a casos reais de atropelamentos por embriaguez ao volante. A cantora classificou essas publicações como absurdas.

A defesa de Ivete alega que o autor das postagens usou notícias falsas para atrair atenção para seu perfil, onde comercializava roupas de banho masculinas.

Ivete obteve uma tutela de urgência para excluir os perfis das redes sociais e obter as informações pessoais dos usuários. O Facebook posteriormente informou que as postagens foram removidas.

No entanto, até o momento, as partes não chegaram a um acordo. Ivete continua tentando descobrir a identidade do autor das publicações. O Facebook tentou alegar carência de ação por ilegitimidade, mas essa alegação foi rejeitada pelo tribunal, que entendeu que a constituição da empresa está sujeita às leis dos Estados Unidos.

A defesa da artista argumenta que, para alcançar efetivamente a tutela jurisdicional pretendida, é necessário obter os dados pessoais do(s) autor(es) das publicações atacadas por meio da presente demanda.

Em 2021, na última atualização processual, as partes não chegaram a um acordo de conciliação, e a ação foi colocada como conclusa para sentença. Até o momento, o tribunal não emitiu nenhuma decisão. O caso está em tramitação na 9ª Vara Cível e Comercial de Salvador.