Idoso precisa ir de maca ao banco para mostrar prova de vida e manter a aposentadoria

Uma notícia está sendo destaque nesta quinta-feira (10). Um Idoso de 80 anos, da cidade de Piripiri, no Piauí, precisou se submeter a uma situação muito complicada para garantir o mantimento da sua aposentadoria. Em uma maca, o homem foi à uma agencia do Banco do Brasil para poder realizar a prova de vida e manter o beneficio.

Segundo a família, eles tentaram fazer o procedimento já que o idoso estava impossibilitado, mas não obtiveram êxito. Assim, os familiares receberam a recomendação de levar o homem presencialmente para fazer a prova obrigatória para os befeciarios do INSS.

Eles também contam que o banco disponibilizou uma ambulância, mas ele precisou ir de maca até a porta da agencia. “Fazer prova de vida de um idoso acamado durante uma pandemia? Não teria um funcionário capacitado para ir na casa do idoso neste caso específico? , questionaram os familiares.

“Meu Deus, é revoltante. O tanto que a tecnologia está avançada não teria outro método pra fazer? Um absurdo”, lamentaram.

O idoso possui problemas de locomoção e saúde frágil desde que sofreu um AVC, há um ano. Ele, inclusive, não consegue nem ficar em uma cadeira de rodas e precisa de cuidados constantes. É com o dinheiro da aposentadoria que os remédios, cuidadora e fisioterapia são pagos.

Diante da situação, o banco publicou a seguinte nota.

“O Banco do Brasil informa que não prestou qualquer tipo de orientação para que a prova de vida, no caso do senhor de 80 anos de Piripiri, fosse realizada em alguma de suas agências. O beneficiário foi levado à agência do BB sem contato prévio e orientação sobre como realizar a prova de vida para pessoas acamadas/hospitalizadas. O Banco ressalta que a prova de vida foi realizada logo após o atendimento em Piripiri – ressalte-se sem conhecimento prévio – ser avisado da presença do beneficiário em frente à agência.
O INSS oferece a opção da prova de vida domiciliar, com agendamento por meio do site meu.inss.gov.br.

Os beneficiários com impossibilidade de locomoção, acamados/hospitalizados devem ser orientados a constituir procurador junto ao INSS”

 

 

Da Redação do Acontece na Bahia

Categoria(s): Destaque.

Comente: