Gêmeos separados há 23 anos se reencontram e vão morar juntos

Os gêmeos fotógrafos Tomaz Maranhão e Gabriel Mateus, separados há 23 anos e que se conheceram em junho passado, vão morar juntos a partir da semana que vem. (Assista abaixo à entrevista que fizemos com os dois no Instagram)

E mais: vão trabalhar juntos no que eles mais amam: a fotografia – foi justamente uma foto que permitiu que eles se encontrassem nas redes sociais, como mostrou o SóNotíciaBoa na época.

Os dois nasceram no Ceará. Tomaz, que foi adotado por uma família de Fortaleza, embarca nesta segunda-feira, 14 para Uberaba, onde vive Gabriel com a esposa, Carol Polato.

“Sinto que precisamos nos conhecer e viver a experiência de estarmos próximos, de nos dar amparo e suprir uma falta que é a experiência de vivermos juntos”, disse Tomaz em entrevista.

Ele tomou a decisão depois de conviver durante 21 dias com o irmão Gabriel.

“Já era algo anunciado, já estava estampado no meu rosto. De uma forma ou de outra iria se concretizar, só não imaginava que seria tão rápido e que, mais uma vez, essa separação me deixaria tão mal”, contou Tomaz.

“Ter ele ao nosso lado, e ver os nossos amigos abraçando ele me fez sentir paz e grande felicidade. Era meu sonho ter ele comigo, darmos risadas, estar na presença dos amigos com a companhia dele, foi um sentimento que eu nunca tive”.

As mães adotivas Tomaz foram as primeiras a incentivar a mudança definitiva.

“Tive uma criação muito linda. Tenho duas mães que me entendem, que sentem comigo, me permitem ter as minhas próprias vivências e sempre me apoiam. Dessa vez não seria diferente. A família de Uberaba adorou a novidade e já me acolhe de braços abertos”, diz Tomaz.

Tomaz, que trabalhava no Museu da Fotografia Fortaleza, pretende fazer ensaios e cobertura fotográfica de eventos com o irmão em Minas Gerais

Ele sonha em abrir um estúdio.

“Sinto que precisamos nos conhecer e viver a experiência de estarmos próximos, de nos dar amparo e suprir uma falta que é a experiência de vivermos juntos”, diz.

Em Minas, Gabriel e a esposa dele, Carol Polato, contam as horas para a chegada de Tomaz.

“Ele é uma pessoa de luz e essa luz vai nos ajudar a enxergar e fazer com que sejamos pessoas cada vez melhores. Alguém para sorrir conosco, para compartilhar os momentos difíceis, para evoluir com a gente, era tudo o que nós precisávamos. E não poderia ser outra pessoa melhor senão o irmão gêmeo que eu sempre sonhei em ter ao meu lado”, comemora Gabriel.

Uma história de separação que o tempo tratou de reunir.

“Existe algo muito forte na gemelaridade, nós sentimos a existência um do outro. Isso foi fundamental para que pudéssemos nos encontrar… A vida nos traz porquês que muitas vezes não conseguimos entender, mas, o tempo se encarrega de resolver”, concluiu Tomaz.

Categoria(s): Social.

Comente: