Filhos de Flordelis eram tratados de forma diferente; ‘primeira geração’ tinha privilégios

De acordo com as investigações da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), no RIo de Janeiro, levaram a conclusão que a vida familiar de Flordelis e seu esposo era dividida.

Os filhos de “sangue” e os oito primeiros adotados tinham acesso à melhor comida e a quartos melhores na casa em comparação aos outros 47 que chegaram depois.

Somado a isso, esses que eram conhecidos como “primeira geração”, eles tinham tinha acesso à uma geladeira e a uma despensa, ambas localizadas no segundo andar da casa.

Enquanto que os o mais novos tinham uma alimentação de forma diferente e limitada. No café da manhã, pão sem manteiga. No almoço e jantar, o mesmo cardápio: arroz, macarrão e salsicha. Tudo de acordo com depoimentos prestados à polícia.

O inquérito concluiu que Anderson foi assassinado por questões financeiras e de poder familiar.

Por fim, Flordelis é tida como a mandante e vai responder por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima), associação criminosa, falsidade ideológica, uso de documento falso e tentativa de homicídio (pelo envenenamento).

Categoria(s): Nacional.

Comente: