Feliz Natal e Próspero Ano Novo

Por: João Régis Souza Costa (Maestro)

Caros amigo, todo final de ano a história se repete, parece Magia. À cada final de Dezembro as pessoas de um modo geral, são impregnadas de uma atitude de inquietação absoluta e um stress inexplicável. Talvez, por conta do final do período letivo escolar para muitos. Quem sabe, a perspectiva do recebimento de um salário extra, o chamado décimo terceiro, que abre portas para a suposta realização de infinitos sonhos de consumo, divididos em suaves parcelas mensais. Ou ainda, pelo Espírito de Religiosidade que permeia os ares. Pena, que apenas um dia no Ano. As ruas se tornam congestionadas de pessoas com corações vazios, que caminham sem saber para onde, e adquirem bens desnecessários em nome da necessidades de terceiros. As crianças entram em um transe aflitivo pela exigência de presentes mil. As Igrejas, caridosamente, colocam nas ruas seus corais com ternas canções natalinas e Hinos Evangélicos que falam de uma pseudo-realidade de amor Universal, que não é possível experimentar, sequer nas páginas da própria Bíblia. Afinal, Deus escolheu um povo para amar e, ao mesmo tempo, massacrar os outros povos. Alguns pragmáticos me perguntariam: Do que te queixas afinal… E eu reponderia: Exceto o Espirito mercantilista, a visão midiática, a falsa Religiosidade,o exacerbado clima de festa, o inexplicável desperdicio nos inúmeros banquetes apelidados de “Ceia” e um cínico e repentino sentimento de amor ao próximo, nada. Nada além de uma firme convicção de que o Homem, o ser Humano, é extremamente frágil em sua visão pessoal de Universo, Mundo, por consequência, do Espírito de ação coletiva ao qual ele está preso e compromissado desde sempre. Seja pela tradição das Gerações anteriores, seja pela mera preguiça mental de questionar os Absolutos. Sugiro portanto, que sejamos “Inclusivos” o Ano inteiro. E que, quem sabe, possamos renovar a nossa visão pessoal de amor ao “Próximo”, tornando esse sentimento, uma atitude usual e rotineira. Não apenas um mero “Programa” de Natal e/ou Final de Ano. Fiat Lux.

Categoria(s): Artigos.

Comente: