Connect with us

Artigos

‘Epidemia’ de cesáreas: por que tantas mulheres no mundo optam pela cirurgia?

...
null

null

Entraram em vigor na semana passada no país novas regras estabelecidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para estimular a realização do parto normal na rede de saúde particular e conscientizar gestantes sobre os riscos representados pela cesariana. Agora, gestantes precisarão assinar um termo de consentimento sobre os perigos da cirurgia para que o plano de saúde cubra seus custos. Por sua vez, seguradoras terão de informar a taxa de cesáreas e de partos normais dos médicos e hospitais quando solicitadas pelo cliente.

As medidas buscam fazer com médicos tenham um papel mais ativo para informar mães sobre os benefícios e prejuízos da cesariana na hora da tomada de decisão sobre o tipo de parto. E, assim, combater a chamada “epidemia de cesáreas” no Brasil, país líder em partos realizados por meio de cirurgia no mundo. Atualmente, mais da metade dos bebês brasileiros nascem desta forma – um índice que chega a 84,6% na rede particular -, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O órgão recomenda que a taxa fique entre 10% e 15% dos partos. A cirurgia é cada vez mais simples e segura e pode ser necessária para salvar gestante e bebê quando é identificado riscos na realização do parto normal. Mas a cirurgia ainda implica em perigos, e o número de cesarianas feitas por opção da mãe, sem recomendação médica, vem aumentando – um problema que não é exclusivo do Brasil, como mostram as áreas em vermelho do mapa acima.

Continue Lendo
Publicidade

Acontece Na Bahia - Copyright © 2019.