Entregadores de Delivery querem criar cooperativa para trabalhar sem patrão: ‘Adeus, iFood’

No último sábado (25), ocorreu em diversas capitais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Vitória, Porto Alegre e Rio Branco, a 2ª paralisação nacional do Breque dos Apps, mas com um número reduzido de pessoas se comparado com o do início do mês.

Alguns entregadores tentam se juntar para criar uma cooperativa, com seu próprio APP de entrega, para trabalharem “sem um chefe”. “Os donos de aplicativos querem encher o bolso de dinheiro, não querem de fato melhoria do trabalho do entregador””, diz Eduarda Alberto um dos idealizadores da ideia da cooperativa.

Segundo consultoria realizada pela BBC News Brasil, apenas para criar um aplicativo semelhante ao de grande empresas o custo fica em torno de R$ 500 mil.

Com isso, os entregadores tentam contar com apoio voluntário de advogados, economistas, programadores e estudiosos para que possam realizar esse objetivo.

Segundo nota da Amobitec, Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia, responsável pela Uber Eats e iFood, ela ressaltou em nota que fornecem todo o tipo de proteção para seus entregadores e destacou a importância do setor como gerador de renda em plena pandemia do novo coronavírus.

Categoria(s): Nacional.

Comente: