Emissora pede desculpas após apresentadora contar história falsa sobre racismo

Neste sábado (21) uma história curiosa tomou as redes. A apresentadora Fernanda Maia contou uma história falsa durante o SBT Esporte enquanto comentava sobre questões raciais no futebol. Então, depois disso é claro que a internet não deixaria passar.

Durante o programa de esportes, Fernanda começou a falar e parece ter se empolgado um pouco nos seus comentários. Ela disse que os negros eram “proibidos de jogar futebol no Brasil”, o que gerou uma aparente estranheza nos colegas que estavam ao vivo com ela. Essa informação soa bem estranho até mesmo para quem não acompanha muito o futebol, visto que, historicamente falando, o futebol brasileiro é marcado por grandes atletas negros. Ela disse:

“Era proibido ter negros jogando futebol, que era um esporte um pouco elitizado. Havia uma segregação racial tão triste, mas que acontecia. Inclusive, os jogadores do Fluminense colocavam pó de arroz no rosto para esconder a cor da pele porque os negros era proibidos de jogar futebol.” As declarações não pegaram nada bem e ela foi corrigida pelo Fluminense:

“Na realidade, a história do pó de arroz partiu de uma provocação da torcida americana ao Carlos Alberto, que tinha o conhecido hábito de usar talco desde o seu ex-clube (o América-RJ). Chateados com o fato do jogador ter saído, os americanos o perseguira e a torcida do tricolor transformou a ofensa em um dos maiores símbolos do nosso futebol. Por ignorância, gerou rótulos racistas e homofóbicos de torcidas adversárias, que distorceram por completo a história. Não à toa, com orgulho, o Tricolor afirma que ‘nós somos a história’. Estamos contra qualquer tipo de preconceito. Afinal, somos o Time de Todos.” Além disso, a emissora ainda precisou se desculpar depois da gafe:

“No SBT Esporte Rio de hoje erramos ao falar da origem do apelido pó de arroz do Fluminense. Pedimos sinceras desculpas ao clube e seus torcedores.”

Da Redação do Acontece na Bahia.

Tag(s): .

Categoria(s): Nacional.

Comente: