Search
Close this search box.

Embasa reduz fornecimento de água em Salvador e RMS após período chuvoso

Os moradores de Salvador já estão experimentando a redução no fornecimento de água. A Embasa informou que, devido aos efeitos das intensas chuvas dos últimos dias nos municípios, o abastecimento de água na capital e na Região Metropolitana (RMS) está sendo realizado em menor volume.

Segundo a Embasa, as características da água bruta disponível na barragem de Joanes 2 sofreram alterações, exigindo uma redução temporária na oferta para garantir que a água distribuída mantenha os padrões de qualidade estabelecidos pelo Ministério da Saúde.

O serviço foi reduzido para 80% do volume habitual. O presidente da Embasa, Leonardo Góes, esclarece que não haverá interrupção no abastecimento, mas a redução temporária afetará o fornecimento na região. “Por isso, é fundamental que todos usem água com parcimônia neste período”, ressalta.

As áreas afetadas incluem Salvador, Simões Filho, Lauro de Freitas, Candeias, Madre de Deus, São Francisco do Conde e as ilhas de Salvador (ilha de Maré, dos Frades, de Bom Jesus dos Passos).

Atualmente, a Embasa suspendeu a captação de água na barragem de Joanes 2. Equipes técnicas estão trabalhando incessantemente para monitorar as condições da água bruta e ajustar o processo de tratamento, visando retomar a produção de água nos níveis normais o mais rápido possível.

“Apesar de o sistema integrado de abastecimento utilizar outros mananciais, como as barragens de Pedra do Cavalo e de Santa Helena, a interrupção da captação em Joanes 2 tem um impacto imediato no volume de água disponível”, explica Manuella Andrade, diretora de Operação da Embasa na RMS. “Estamos com nossas equipes trabalhando dia e noite para conseguir retomar o uso dessa água e regularizar o fornecimento em toda a área afetada”.

O mês de fevereiro registrou chuvas excepcionais em Salvador e na bacia hidrográfica do rio Joanes. O índice de precipitação na região atingiu 310mm até ontem (26), quatro vezes mais do que o esperado para o mês. Este é o maior volume pluviométrico de fevereiro dos últimos 19 anos. As intensas chuvas arrastam terra, sedimentos, minerais e matéria orgânica (folhas, galhos) de toda a bacia para o rio, alterando a composição da água.

Fonte: Correio