Dr. Jairinho é indiciado por agressões contra o filho de uma ex-amante

Uma notícia está sendo destaque nesta quinta-feira (03). O vereador Dr. Jairinho, que está preso e já é réu pela morte do menino Henry, foi indiciado de novo por torturar o filho da ex-amante Débora Melo Saraiva. Ele nega ter cometido o crime.

As agressões aconteceram em 2016 e a mãe do menino foi indiciada por omissão. O casal também vai responder por falsidade ideológica.

Dr. Jairinho e Débora começaram a se relacionar no final de 2014, quando ela trabalhava na Câmara de Vereadores, e ficaram juntos 6 anos. Segundo as investigações, o menino sofreu as agressões quando tinha 3 anos.

Segundo a polícia, ele e a irmã foram ouvidos por policiais especializados, que conseguiram “ativar algumas memórias” da época. A investigação do caso durou menos de dois meses. “A criança reviveu parte de episódios sofridos, como: sufocamento com saco na cabeça, pisões na barriga e uma grave fratura de fêmur”, disse o delegado Adriano França.

Débora prestou depoimento duas vezes na Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV). Na primeira, no dia 22 de março, Débora afirmou que o relacionamento com Jairinho era conturbado, mas não relatou nenhuma agressão.

No dia 16 de abril, porém, a ex-amante do político mudou a versão e disse que foi agredida pelo vereador. Ela também relatou que o filho apanhou dele.

Com base nos depoimentos do menino, a polícia descobriu que um “acidente automobilístico” foi a desculpa dada por Jairinho e Débora para um episódio de agressão — do qual o menino saiu com a perna quebrada.

“Com medo, a criança vomitou no carro e, na tentativa de fugir, caiu do veículo e sofreu a lesão grave, ficando imobilizado com gesso por cerca de dois meses”, disse o delegado do caso .

Débora foi indiciada por omissão porque, segundo as investigações, “não comunicou o episódio do carro às autoridades nem à equipe de profissionais de saúde que atendeu a criança”.

“Débora continuou a ficar na condição de amante até o fim de 2020, ainda com alguns encontros esporádicos em 2021, preferindo ‘fingir’ que nada aconteceu com seu filho”, segundo o delegado.

Textos e informações do portal G1

Categoria(s): Destaque.

Comente: