Dono de relojoaria que presenteou menino engraxate é intimado por apologia ao trabalho infantil

A história do garotinho engraxate que visitou uma relojoaria para comprar um presente para o pai ganhou um novo episódio. Agora, o dono da relojoaria, que na ocasião presenteou o garoto, foi parar na justiça. O motivo? Ele teria feito apologia ao trabalho infantil.

No momento em que viu Mario, um engraxate de 10 anos, adentrar a sua loja, Paulo César se comoveu. Então, o pequeno explicou que foi até lá para comprar um presente de dia dos pais. Logo depois, Paulo deixou Mario escolher o relógio que queria, presenteou o garoto, devolveu o dinheiro e disse:

“Agora eu vou te dar esse presente, para você comprar alguma coisa para você, uma roupa pra você. E o relógio eu estou dando para você dar para o seu pai. O trabalho dignifica. Eu sei que você é uma criança, mas não é pecado trabalhar. Criança pode trabalhar. Seja honesto e nunca se envolva com coisa errada, tá bom?”

Depois da enorme repercussão da história, a justiça de Goiás acabou recebendo uma denúncia sobre o caso. A acusação seria contra Paulo César, o dono da relojoaria. Segundo a intimação, ele teria feito apologia ao trabalho infantil quando disse que “criança pode trabalhar”. Ele foi intimado a prestar esclarecimentos e assinou um termo de conduta. A partir desse termo, ele concordou em participar de campanhas contra o trabalho infantil. Além disso, não poderá mais falar sobre o vídeo do caso ou divulgá-lo. Caso não faça isso, Paulo terá que pagar R$ 10.000. A decisão tem gerado controvérsias, pois a maior parte das pessoas diz ter enxergado apenas solidariedade na atitude de Paulo.

Da Redação do Acontece na Bahia.

Categoria(s): Nacional.

Comente: