Descubra qual é a “cidade da cachaça”, que tem mais idosos do que crianças

Descubra qual é a "cidade da cachaça", que tem mais idosos do que crianças

Em Abaíra, uma pequena cidade baiana com pouco mais de 7,3 mil habitantes, a realidade da migração dos jovens em busca de oportunidades de emprego transformou a demografia local.

Jovens adultos que optam por buscar empregos fora do comércio local, prefeitura ou áreas rurais deixam Abaíra, resultando numa população envelhecida. Essa situação levou a cidade a se destacar como uma das cinco na Bahia onde o número de idosos supera o de crianças com até 14 anos.

Para mais informações acesse nosso canal no WhatsApp!

De acordo com dados do Censo 2022 divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil está enfrentando um processo de envelhecimento populacional. Com menos nascimentos de crianças e as pessoas vivendo mais, a proporção de idosos para cada 100 crianças até 14 anos de idade no Brasil é de 55,2, enquanto na Bahia é de 56,2. Nos municípios do centro-sul do estado, essa proporção chega a ser o dobro da média nacional.

Em Abaíra, essa tendência é evidente, com 137 idosos para cada 100 crianças, tornando-se o município com a maior proporção de pessoas com mais de 65 anos na Bahia. O êxodo dos jovens em busca de educação e empregos melhores, especialmente na área de computação, contribui para esse fenômeno.

O município, situado no centro da Chapada Diamantina, ganhou notoriedade como a “cidade da cachaça” devido à produção artesanal de cachaça realizada em associações locais. No entanto, a falta de oportunidades educacionais e profissionais está levando a uma mudança demográfica significativa, com a cidade envelhecendo rapidamente.

Essa realidade não é exclusiva de Abaíra; outras cidades na Bahia, como Jussiape, Jacaraci, Guajeru e Ibiassucê, também enfrentam o desafio do envelhecimento populacional. A ausência de novos empregos leva os jovens a buscar oportunidades em outras localidades, perpetuando o ciclo de desigualdades regionais no estado. Para muitos, a educação superior exige deslocamentos consideráveis, exacerbando ainda mais o fenômeno do envelhecimento nas cidades do interior.