Search
Close this search box.

Deputada estadual relata episódio de abordagem policial violenta em Salvador: ‘Por um triz, não estávamos todos mortos’

A deputada estadual Olívia Santana (PCdoB) compartilhou um momento angustiante em que foi alvo de uma abordagem policial agressiva pela Polícia Militar. O incidente ocorreu na manhã desta quarta-feira (1º), enquanto ela transitava pelo Vale das Pedrinhas, área do Complexo do Nordeste de Amaralina, em Salvador.

Segundo Olívia, seu carro foi parado pelos agentes policiais que lançaram ordens aos gritos, com armas apontadas para o veículo.

“Desça do carro, porr*. (…) Todo mundo com as mãos na cabeça”, teriam dito os militares.

A deputada estava acompanhada por seu motorista e outro passageiro. Inicialmente confusos, eles logo entenderam a gravidade da situação ao verem as armas, saindo do veículo apressadamente em resposta ao comando.

“Foi um choque imenso ver tantas armas daquele jeito”, destacou Olívia.

Olívia relata que a atitude dos policiais mudou drasticamente quando a reconheceram. Um dos agentes teria justificado que o carro preto que ela conduzia era considerado “suspeito”, pois a guarnição estava à procura de um veículo em fuga. No entanto, a deputada enfatizou que a abordagem foi inadequada.

“Fomos surpreendidos com um susto terrível e a visão daquela quantidade de armas. A sensação foi de que, por muito pouco, não teríamos sobrevivido. Se o motorista não tivesse percebido que a abordagem era para nós e não tivesse parado, nosso carro poderia ter sido alvejado?”, questionou Olívia.

Nas redes sociais, a parlamentar também fez um apelo direto ao Governador Jerônimo Rodrigues (PT), pedindo a implementação do sistema de câmeras de monitoramento acopladas ao uniforme dos agentes de segurança, medida que está em processo.

Em dezembro, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) selecionou a empresa responsável pelo fornecimento das chamadas “bodycams”. A SSP-BA falou sobre o andamento do processo e indicou que as câmeras estão em fase final de capacitação da tropa para iniciar os testes.

Essa não foi a primeira vez que Olívia Santana denunciou ações truculentas da polícia. Em outubro de 2022, durante o período eleitoral, ela relatou ameaças de prisão por parte dos agentes sob alegação de ‘boca de urna’. Na ocasião, ela confrontou os militares por discordâncias políticas e precisou intervir para proteger uma mulher que estava sendo abordada de forma agressiva por um dos policiais.

Fonte: G1

Foto: Reprodução/TV Bahia