Search
Close this search box.

Delegado afirma: Namorado chamou jovem que gravou a própria morte para sessão de tiro ao alvo

Homem chamou jovem que filmou própria morte para tiro ao alvo, diz delegado

Diego Fonseca Borges, 27 anos, namorado de Lelly Gabriele Alves, 23 anos, teria convidado a jovem para uma sessão de tiro ao alvo em um rancho de propriedade de um tio, localizado em Jataí, região sudoeste de Goiás, segundo informações do delegado Thiago Saad, encarregado do caso.

De acordo com o delegado, a arma utilizada na “brincadeira” seria a mesma que acabou disparando contra Lelly momentos depois.

Para mais informações acesse nosso canal no WhatsApp!

Lelly registrou em vídeo o momento em que foi atingida por um tiro na noite de sábado (4), disparado pelo próprio namorado, de acordo com a polícia. Ela veio a falecer, e o namorado foi preso em flagrante, suspeito de homicídio.

No depoimento prestado à polícia, o suspeito afirmou que não sabia que a arma estava carregada.

Conforme o delegado, as investigações revelaram que o casal havia se separado há algum tempo, mas Diego teria enviado mensagens para o celular de Lelly, informando que havia adquirido um “brinquedinho” (um revólver) e a convidando para “brincar” com a arma no rancho de um tio dele.

O disparo fatal teria ocorrido após ambos participarem de uma sessão de “tiro ao alvo” no rancho do tio de Diego. No depoimento, ele alegou que achava que a arma estava descarregada quando apertou o gatilho, mirando em direção a Lelly.

Eles estavam separados há um tempo, mas encontramos mensagens no celular da vítima em que ele a convida para ‘brincarem’ juntos, com a arma que ele havia acabado de adquirir. Ela concordou e eles foram para o rancho.

No vídeo, Diego é visto puxando o gatilho depois de Lelly, que estava filmando toda a cena, dizer de forma descontraída, sem imaginar o que aconteceria a seguir: “Olha que trem gostoso do mundo. Faz graça. Vai amor, faz”. Ele então aponta a arma na direção dela, e ela ri alto. Em seguida, ele aperta o gatilho, e a arma dispara.

“Em depoimento, o suspeito afirma que não sabia que a arma ainda tinha munição. Ele disse achar que a arma estava descarregada”, afirma o delegado. “E então ele puxa o gatilho, ouve-se um tiro e a jovem cai ao chão”.

Contradições

Antes de ser preso, logo após o incidente, enquanto Ielly era atendida em um hospital, o rapaz informou à Polícia Militar que estava dirigindo um veículo com a namorada como passageira quando foram surpreendidos por homens em uma motocicleta, que teriam disparado contra eles.

No entanto, Diego entrou em contradição ao tentar relatar o que aconteceu aos agentes, de acordo com o delegado.

“As versões eram inconsistentes. Ele não sabia precisar o local onde ocorreram os disparos. Além disso, após exame pericial ficou esclarecido que o orifício de entrada da bala, no tórax, não condizia com a versão apresentada e, por isso, ele foi trazido à delegacia”, esclareceu Saad.

A polícia teve acesso ao conteúdo do celular de Lelly por meio da tia da vítima, que compareceu à delegacia com o aparelho. Entre mensagens e vídeos, havia uma gravação feita por ela no momento em que foi atingida pelo tiro disparado pelo namorado.

Segundo o delegado, o suspeito já possuía antecedentes criminais, sendo um deles por roubo e outro por agressão a uma ex-companheira, que inclusive havia obtido uma ordem judicial de proteção contra Diego.

De acordo com Saad, amigas da jovem falecida afirmaram que ela também vinha sendo ameaçada de agressão por parte de Diego. As amigas mostraram mensagens no celular em que Lelly expressava sentir-se ameaçada.

Preso em flagrante, o suspeito passará por uma audiência de custódia ainda hoje. Na opinião do delegado, é provável que a Justiça decrete sua prisão preventiva.

“As investigações agora poderão comprovar se ele responderá por homicídio doloso qualificado, em que, apesar das circunstâncias, não houve premeditação; ou se responderá por feminicídio, aí sim, com a intenção de matar a ex-companheira”, afirmou o delegado.

“Continuaremos a oitiva de testemunhas, como o tio do rapaz, dono do rancho onde ocorreu o crime, e analisaremos minuciosamente todo o conteúdo do celular da vítima.”

Segundo o UOL fonte dessa notícia, não conseguiu localizar a defesa de Diego Fonseca Borges. O espaço permanece aberto para qualquer manifestação.