Corpo de mulher é encontrado no Farol da Barra com marcas de violência

O corpo de uma mulher foi descoberto no Farol da Barra, um dos principais pontos turísticos de Salvador, na manhã desta quarta-feira (20), exibindo sinais de violência. A identidade da vítima ainda não foi estabelecida.

A Polícia Militar confirmou a presença de uma viatura no local, que prontamente solicitou a intervenção da Polícia Civil para conduzir os procedimentos periciais. Em comunicado, a Polícia Civil declarou que está investigando o incidente, com o Serviço de Investigação em Local de Crime (Silc) do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) encarregado das primeiras diligências. A autoria e motivação do crime estão sendo apuradas, com a investigação a cargo da 1ª Delegacia de Homicídios (DH/Atlântico).

Além desse caso, agentes da 11ª CIPM receberam informações pela manhã sobre uma mulher ferida na Avenida Oceânica, na Barra. O Samu foi acionado e prestou socorro à vítima, encaminhando-a para uma unidade hospitalar.

Em julho, um homem foi encontrado morto dentro de um isopor na praia do Porto da Barra, em Salvador. O isopor estava abandonado entre o Forte de Santa Maria e o Farol da Barra, na calçada de pedestres, próximo a um quiosque de água de coco. O suspeito de envolvimento no caso foi detido em 31 de julho na cidade. A vítima foi identificada como Uziel Silva da Hora, de 39 anos, com histórico criminal relacionado a furto, roubo e receptação, residente no Calabar.

Segundo a delegada Zaira Pimentel, titular da 1ª Delegacia de Homicídios (DH/Atlântico), câmeras de segurança flagraram Uziel andando de bicicleta no bairro antes do crime, esclarecendo que a vítima, residente no Calabar, foi morta em uma residência na Barra e seu corpo foi depositado na lixeira no Porto. O descarte ocorreu entre o Forte de Santa Maria e o Farol da Barra, na calçada de pedestres, próximo a um quiosque de água de coco, apresentando sinais de violência e marcas de disparos de arma de fogo. A delegada destacou que o fato de o homicídio ter ocorrido em local diferente do descarte do corpo é uma estratégia para dificultar a elucidação do caso.

“O crime é dinâmico. E, sobretudo, o homicídio é um crime complexo. Matam em um lugar e descartam em outro, justamente para que fique mais difícil a elucidação”, afirmou.

Da redação do Acontece na Bahia

Crédito: Gil Santos